OSTEOCONDRITE DISSECANTE: RELATO DE CASO

  • Ana Paula Stievano Ferraz Silveira
  • Carolina Cordeiro Barcelos
  • Heloísa Brito
  • João Marcelo Tocantins
  • Rafaella Faria Oliveira Guerra
  • Humberto Sousa Fontoura
Palavras-chave: Osteocondrite Dissecante. Prevenção. Diagnóstico Precoce.

Resumo

A osteocondrite dissecante (OD) é uma patologia caracterizada por descolamento parcial ou total do fragmento da cartilagem hialina com o osso subcondral, que pode ou não se desprender e permanecer como um corpo livre articular. A escolha do tratamento é baseada no método conservador e no cirúrgico que tem como propósito a conservação da cartilagem, se possível, ou a utilização de processos de restauração, sendo assim, o objetivo desse trabalho relatar um quadro típico de osteocondrite dissecante. Paciente do sexo masculino, 20 anos de idade queixou-se de dor de início progressivo aos pequenos esforços, mesmo que leve, como andar por muito tempo ou pular; sentia dores no joelho esquerdo e inchaço, limitando movimentos da perna esquerda. Após um ano e seis meses de início dos sintomas procurou serviço médico, com essas queixas de dor bem localizada no meio da patela. O médico realizou testes durante o exame físico, mas nenhum deu positivo. A dor não irradiava, possuía intensidade 7/10 e continuava ao realizar movimentos. O médico solicitou radiografia e seu resultado sugeriu um diagnóstico de OD, após, solicitou um exame de ressonância magnética do joelho esquerdo, que confirmou o diagnóstico. Foi traçado um plano terapêutico para o paciente, indicando tratamento fisioterapêutico além do uso de analgésicos para controle da dor. Ao final de 3 anos de acompanhamento, não houve resolução espontânea da doença e o ortopedista optou pela cirurgia de fixação artroscópia de lesão de OD do joelho esquerdo (colocação de 3 heberts) em posição posteromedial. Passados 2 meses, o paciente encontra-se em tratamento fisioterapêutico, sendo que a dor foi controlada, porém ainda há limitação do movimento. Apesar da OD não ser muito recorrente na população em geral, foi observado que se trata de uma patologia que apresenta bom prognóstico, mesmo em casos cirúrgicos, além de que, as limitações são eliminadas após tratamento e resolução da doença.

Referências

ANDRIOLO, L., et al. Osteochondritis Dissecansofthe Knee: Etiologyand Pathogenetic Mechanisms. A Systematic Review. SAGE JOURNALS (International Cartilage Regeneration & Join Preservation Society). v. 1, p. 1-12, 2018.
DEEPAN, N. P., et al. OsteochondritisDissecansLesionofthe Radial Head. The American JournalofOrthopedics, v. , n. , p 47-48, 2018.
MESTRINER, L. A., OSTEOCHONDRITIS DISSECANS OF THE KNEE: DIAGNOSIS AND TREATMENT. Revista Brasileira de Ortopedia. v. 47, n. 5, p. 553- 562, 2012.
OLSTAD, K., et al. Juvenile osteochondritis dissecans ofthe knee is a result of failure ofthe blood supplyto growth cartilage and osteochondrosis. Osteoarthritis and cartilage. v. 2 , n. 4 , p. 188-191, 2018.
SCOTT, N. W., Lesão da Cartilagem Articular e OCD Adulta. Insall& Scott SurgeryOf The Knee.v. 2, n. 5, p.153-159, 2014.
UPPSTROM, T. J., et al. Classification and assessment of juvenil eosteochondritis dissecans knee lesions. Current opinion pediatrics. v. 28, n. 1, p. 60-67, 2016.
Publicado
2018-12-27
Seção
XV Mostra de Saúde - 10 anos do Curso de Medicina