FUNÇÕES EXECUTIVAS, ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO – UMA INTER-RELAÇÃO NECESSÁRIA

  • André Moreira Roza
  • Ellwes Colle de Campos Krauspenhar
  • Núbia Gonçalves da Paixão Enetério

Resumo

 

Resumo: Entre a Alfabetização e o Letramento existem os métodos de Alfabetização, sendo que destes sobrepõe-se aos métodos Analíticos ou Globais, que partem de um contexto de leitura e/ou conhecimentos prévios dos alunos para se chegar à Alfabetização; e também os métodos Sintéticos, que partem da menor unidade da língua para somente depois aglutinarem-se os elementos e/ou domínios da escrita. O fato é que os métodos não encerram a díade Alfabetização/Letramento, uma vez que se trata de conceitos que, apesar de longamente discutidos, ainda estão sendo construídos e/ou reinterpretados, pois não são sinônimos e um não exclui o outro, haja vista que Alfabetizar pressupõe instrumentalizar o estudante par o ler, enquanto que o letramento pressupõe o “ser leitor” inserido em uma cultura ou grupo social. Ora, uma vez que o debate entre tais conceitos ainda não logrou êxitos nas questões que envolvem a compreensão plena do processo de Alfabetizar/Letrar, optou-se por introduzir um dos afluentes da Neuropsicologia para complementar a discussão: As Funções Executivas, que por sua vez, além de aferir as capacidades neurológicas do indivíduo, demonstra seu funcionamento cortical, através da elucidação do envolvimento da memória, controle inibitório e flexibilidade cognitiva no processo de capacitação à interpretação de mundo, à Alfabetização/Letramento. Para elucidação das considerações antepostas, utilizou-se de diversos autores para consolidar os embasamentos teóricos expostos, dos quais destacam-se: Emília Ferreiro (2011), Magda Soares (2004), Sueli Rizzutti e Mauro Muszkat (2018), Luiz Antonio Gomes Senna (2012), Leandro Fernandes Malloy-Diniz (2010) e Daniel Fuantes (2014). A obra, pois, constitui-se como relevante por propiciar a gênese da discussão entre a díade Alfabetização-Letramento e parte das neurociências: as Funções Executivas. As possibilidades dos frutos do diálogo entre tais campos são inúmeras, potencializando um dos maiores intuitos atuais do campo científico: entender como o cérebro funciona.

Publicado
2019-01-03
Seção
V Mostra Científica do Curso Pedagogia