A MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA E O USO DOS RECURSOS DA COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA E AUMENTATIVA PARA DESENVOLVIMENTO DA COMUNICAÇÃO E SOCIALIZAÇÃO DE ALUNOS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

  • Sueni Conceição Moreira Youssef
Palavras-chave: Transtorno do Espectro Autista, Experiência da Aprendizagem, Mediada, Comunicação, Aumentativa e Alternativa

Resumo

A inclusão de crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) na escola comum tem aumentado. Muitas dessas crianças possuem déficit na comunicação que dificulta o processo de escolarização. Surgem então recursos da tecnologia assistiva em Comunicação Alternativa e Aumentativa (CAA) para complementar, suplementar, substituir ou apoiar a comunicação e consequentemente facilitar a socialização e aprendizagem dessas crianças.  Uma das estratégias que pode viabilizar esse processo é a mediação pedagógica baseada no conceito da Experiência da Aprendizagem Mediada, compreendida como um estilo de interação em que o professor seleciona, modifica, amplia e interpreta os estímulos ambientais de forma a favorecer a aprendizagem dos educandos. Diversos estudos tem utilizado a Escala de Experiência da Aprendizagem Mediada (EAM; Lidz, 2003) como instrumento para avaliar o nível de mediação do professor. A presente pesquisa tem o objetivo de analisar a influência da mediação pedagógica do professor com base na abordagem por Experiência da Aprendizagem Mediada – EAM, com recursos de Comunicação Alternativa e Aumentativa para alunos com Transtorno do Espectro Autista. A investigação será do tipo experimental e longitudinal, realizada com professores de sala regular e do Atendimento Educacional Especializado (AEE), que tenham a alunos com TEA, na primeira fase do ensino fundamental das escolas da Rede Municipal de Ensino de Anápolis, no decorrer do ano letivo de 2018.  A seleção dos participantes ocorrerá com a parceria do Centro Municipal de Apoio à Diversidade (CEMAD), indicando os alunos com laudo médico de TEA e com maior déficit na comunicação, comprovados por avaliação da Equipe Multiprofissional. O estudo constará de avaliação do nível de mediação do professor baseado na abordagem da Experiência Mediada no início e ao final da pesquisa; capacitação aos professores participantes sobre Transtorno do Espectro Autista, Comunicação Alternativa e Aumentativa e Mediação pedagógica; intervenção com planejamento colaborativo e execução do Plano Individualizado de Educação com os alunos; avaliação dos alunos nas áreas da comunicação e interação social através da Escala de Comportamento Adaptativo de Vineland, no início e ao final da intervenção para demonstrar a evolução. Pretende-se a publicação de artigos científicos em periódicos e divulgações em eventos científicos, ressaltando que este projeto de pesquisa, resultará em dissertação de mestrado do Programa de Pós-Graduação em Sociedade, Tecnologia e Meio Ambiente (PPSTMA) da UniEVANGÉLICA em parceria com o Programa de Pós-Graduação e Pesquisa em Tecnologia Assistiva (PGPTA) que se pauta na consolidação de equipe multi/interdisciplinar para utilização de tecnologias de CAA em Goiás e com pesquisadores de várias áreas e instituições.

Referências

(BERSCH, Rita de Cássia. Design de um serviço de tecnologia assistiva em escolas públicas. 2009.
BERSCH, Rita de Cássia; SCHIRMER, Carolina. Tecnologia assistiva no processo educacional. In: Ensaios pedagógicos: construindo escolas inclusivas. Brasília: MEC/SEESP, 2005.
CESA, Carla Ciseri; MOTA, Helena Boli. Comunicação aumentativa e alternativa: panorama dos periódicos brasileiros. Rev. CEFAC vol.17 no.1 São Paulo Jan./Feb. 2015
CHUN, Regina Yu Shon. Comunicação suplementar e/ou alternativa: abrangência e peculiaridades dos termos e conceitos em uso no Brasil. Unicamp, 2009.
DELIBERATO, Débora. Comunicação alternativa: recursos e procedimentos utilizados no processo de inclusão do aluno com severo distúrbio na comunicação. São Paulo: Unesp, 2005.
CUNHA, A. Os conceitos de Zona de desenvolvimento proximal (ZDP) e Aprendizagem
mediatizada sob a perspectiva de análise da interacção mãe-criança. Educare, Educere, Castelo Branco, v.15, p.189-202, 2003.
________. Estilos de mediatização e interacção mãe-criança: estratégias de promoção do desenvolvimento infantil. Psicologia: teoria, investigação e prática, Braga, v.9, p. 243-251, 2004.

CUNHA, A. C. B; ENUMO, S. R. F.; CANAL, C. P. P. Operacionalização de escala para Análise de padrão de mediação materna: um estudo com díades mãe–criança com deficiênciavisual. Revista Brasileira de educação Especial, Marilia, v.12, n.3, p.393–412, 2006.
FERREIRA, M.; GUIMARÃES, M. Educação Inclusiva. 1. ed. Rio de Janeiro: DP&A. 2003.
FEUERSTEIN, R.; FEUERSTEIN, S. Mediated Learning Experience: A Theorical Review. In:
FEUERSTEIN, R.; KLEIN, P.S.; TANNENBAUM, A.J. (Eds). Mediated Learning Experience (MLE):
Theorical, psychological and learning implications. London: International Center for Enhancement of Learning Potential (ICELP), 1991. p. 3-51.
_______. Resolução n. 02/2001. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: CNE, 2001.
______. Decreto n. 5296, de 02 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis n°s 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade. Diário Oficial da União, Brasília, n. 232, 03 dez. 2004.
Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para assuntos jurídicos. Lei no 10.098 de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e da outras providências. Brasília, 2000a. Disponível em: . Acesso em: 12 de dezembro 2015.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION (APA): DSM-V-TR. Associação Americana de Psiquiatria. DSM-V-TR- Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 2013

BEZ, Maria Rosângela. Comunicação Aumentativa e Alternativa para sujeitos com transtornos globais do desenvolvimento na promoção da expressão e intencionalidade por meio de ações mediadoras. 2010. 164 f. Dissertação (Mestrado). Porto Alegre, 2010.
BOSA, Cleonice; CALLIAS, Maria. Autismo: breve revisão de diferentes abordagens. Psicol. Reflex. Crit, v. 13, n. 1, Porto Alegre, 2000. Disponível em: . Acesso em: 21 jun. 2016.
BOSA, C. A. Autismo: intervenções psicoeducacionais. 2006. Rev. Bras. Psiquiatria, v. 28, p. 47-53, 2006. Suplemento.
BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDB 9.394, de 20 de dezembro de 1996.
______. Lei Federal nº 12.764/2012, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o § 3o do art. 98 da Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF: 28 dez. 2012.
Publicado
2018-12-20
Seção
IX Simpósio Nacional de Ciência e Meio Ambiente – SNCMA