O DESAFIO DO DIAGNÓSTICO DE TDAH E SUAS IMPLICAÇÕES

  • Áurea Gomes Pidde
  • Gustavo Urzêda Vitória
  • Marcos Paulo Silva Siqueira
  • Paulo Vitor Carvalho Dutra
  • Pedro Humberto Guimarães Alves
  • Denis Masashi Sugita
Palavras-chave: TDAH. Diagnóstico. Sintomas.

Resumo

O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) tem como características marcantes a desatenção, a agitação e a impulsividade. O TDAH pode ser classificado em três tipos: desatento, hiperativo impulsivo e combinado, cada um com sua característica marcante. Por ser um distúrbio de forte influência neurobiológica, a pesquisa do diagnóstico e suas implicações devem ser trabalhadas de maneira indissociável com paciente, familiares e ambiente escolar, para que se chegue a melhor conclusão quanto ao tratamento. Nesse sentido, objetiva-se compreender como é feito o diagnóstico do TDAH, avaliando as falsas conclusões a respeito desse distúrbio e suas consequências, a partir de um resumo expandido de cinco artigos retirados dos sites: PUBMED, GOOGLE ACADÊMICO e SCIELO. O diagnóstico de TDAH é feito a partir da aplicação de escalas, entrevistas e testes, de modo que esses instrumentos seguem as orientações dos vários modelos explicativos. Porém, essas ferramentas e padrões ainda apresentam importantes barreiras para o tratamento, pois eles não são suficientemente sensíveis e específicos para realizarem a confirmação do transtorno.

O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) tem como características marcantes a desatenção, a agitação e a impulsividade. O TDAH pode ser classificado em três tipos: desatento, hiperativo impulsivo e combinado, cada um com sua característica marcante. Por ser um distúrbio de forte influência neurobiológica, a pesquisa do diagnóstico e suas implicações devem ser trabalhadas de maneira indissociável com paciente, familiares e ambiente escolar, para que se chegue a melhor conclusão quanto ao tratamento. Nesse sentido, objetiva-se compreender como é feito o diagnóstico do TDAH, avaliando as falsas conclusões a respeito desse distúrbio e suas consequências, a partir de um resumo expandido de cinco artigos retirados dos sites: PUBMED, GOOGLE ACADÊMICO e SCIELO. O diagnóstico de TDAH é feito a partir da aplicação de escalas, entrevistas e testes, de modo que esses instrumentos seguem as orientações dos vários modelos explicativos. Porém, essas ferramentas e padrões ainda apresentam importantes barreiras para o tratamento, pois eles não são suficientemente sensíveis e específicos para realizarem a confirmação do transtorno.

Referências

CASTRO, C. X. L.; de LIMA, R. F. Consequências do transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) na idade adulta. Revista Psicopedagogia, v. 35, n. 106, p. 61-72, 2018.
MAIA, M. I. R.; CONFORTIN, H. TDAH e aprendizagem: um desafio para a educação.
PERSPECTIVA, Erechim, v. 39, n.148, p. 73-84, dezembro/2015.
SIGNOR, R. de C. F.; BERBERIAN, A. P.; SANTANA, A. P. A medicalização da educação: implicações para a constituição do sujeito/aprendiz. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 43, n. 3, p. 743-763, jul./set., 2017.
SCHMIDEK, H. C. M. V. et al. Dependência de internet e transtorno de déficit de atenção com hiperatividade (TDAH): revisão integrativa. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, v.67, n.2, p.126-134, 2018.
WAGNER, F.; de ROHDE, L. A.; TRENTINI, C. M. Neuropsicologia do Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade: Modelos Neuropsicológicos e Resultados de Estudos Empíricos. Psico-USF, Itatiba, v.21, n.3, Sept./Dec., 2016
Publicado
2018-12-28
Seção
XV Mostra de Saúde - 10 anos do Curso de Medicina