REABILITAÇÃO OCULOMOTORA: NOVOS DESAFIOS NA PRATICA CLÍNICA FISIOTERAPÊUTICA

  • Amanda Gabriela Mendes Fontinele
  • Lívia Jocassia Gomes Cardoso
  • Maqueli Batista de Sousa
  • Maria Heloisa Alves Fontes
  • Pâmela Rityelle Moreira Soares
  • Taísa Silva Gonçalves
  • Amanda Milena Araújo
  • Kelly Cristina Borges Tacon

Resumo

Introdução: A ortóptica é o ramo da ciência da saúde que estuda a movimentação ocular de forma isolada em cada olho e conjugada entre os dois olhos. Portanto a fisioterapia ocular seria a atuação do profissional em fisioterapia na motilidade ocular extrínseca, avaliando e identificando um desvio ocular, fazendo mensurações apropriadas, identificando qual(is) músculo(s) ocular(es) extrínseco(s) de qual(is) olho(s) está(ão) paralisado(s) ou parético(s), orientando e supervisionando o tratamento através de exercícios e tratamentos clínicos capazes de melhorar a função ocular e ainda realizando avaliações pré e pós operatórias capazes de auxiliar o médico oftalmologista no tratamento cirúrgico. Objetivo: Evidenciar a atuação do fisioterapeuta na área de oftálmica e sua legalização perante o CREFITO. Métodos: Foi realizada uma revisão bibliográfica utilizando os unitermos fisioterapia ocular, fisioterapia oftálmica, reabilitação ocular, distúrbios oculomotores e legalização da fisioterapia oftálmica, na base de dados, livro eletrônico: Olhos sãos por ginástica ocular, autora Ursula Vón Zehmen, e também uma apostila criada por Hélio Siqueira, 2017, ministrante do curso de fisioterapia oftálmica e relatos de caso. Também foi realizada entrevista com profissional da área, onde foram elencados principais pontos relacionados à importância da atuação do fisioterapeuta e também as dificuldades para regularização. Resultados: Através da revisão bibliográfica, observou-se que, apesar de ainda não ser legalizado, a fisioterapia oftálmica possui respaldo através de portarias e que vem trazendo resultados satisfatórios quanto ao tratamento. Mediante entrevista com o profissional da área, pode-se perceber a relevância da intervenção fisioterapêutica nos distúrbios oculomotores, oferecendo melhor conforto visual, qualidade de vida e prevenção de sequelas mais graves em crianças até sete anos, adolescentes que usam com frequência os terminais de computação, adultos em fase produtiva, presbiopia e portadores de patologias neurológicas, vasculares, viroses encefálicas e traumas de cabeça. Conclusão: A fisioterapia oftálmica ainda é pouco reconhecida, se trata de uma especialidade recente e não legalizada pelo CREFITO. Porém, já existem resultados positivos em relação a sua atuação no tratamento de distúrbios oculomotores.

 

Publicado
2019-01-08
Seção
XV Mostra Acadêmica do Curso Fisioterapia