ABORDAGEM FISIOTERAPÊUTICA NA ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA

  • Amanda Alves Lopes
  • André Luiz Bastos dos Santos
  • Brenda Maria de Almeida Maximiano
  • Thays Silva Menezes
  • Marcelo Nishi

Resumo

Introdução: A esclerose lateral amiotrófica (ELA) foi descrita pela primeira vez por Charcot em 1874, trata-se de um distúrbio que envolve a degeneração do sistema motor em vários níveis: bulbar, cervical, torácico e lombar. Compromete tanto os neurônios de primeira e segunda ordem sendo progressiva e fatal por comprometimento respiratório. As causas podem estar relacionadas a mutação genética, desequilíbrio químico, doença alto imune e hereditariedade. A ELA não afeta os sentidos (visão, olfato, paladar, audição e tato), ela raramente afeta o funcionamento da bexiga, dos intestinos ou a capacidade de pensamento e raciocínio do paciente. Portanto, os sinais e sintomas desta doença podem incluir: a fraqueza e a atrofia muscular, fasciculações, cãibras, espasticidade, disartria e disfagia. Objetivo: Conhecer as condutas de tratamento fisioterapêuticos na esclerose lateral amiotrófica. Métodos: O trabalho foi realizado por meio de uma revisão literária nas bases de dados eletrônicos: Lilacs, SciELO, Rev. Neurocienc,  publicados entre 2010 a 2018, na língua portuguesa, em artigos científicos de revistas e livros especializados sobre o tema. Resultados: A princípio foram encontrados cinco artigos científicos completos, e por fim na íntegra foram avaliados três destes artigos. Os critérios utilizados para avaliar foram as descrições sobre a doença, a morfologia e os tratamentos com fisioterapia para esse tipo de caso. Os resultados mostram que a fisioterapia tem um papel fundamental no tratamento de pacientes com esclerose lateral amiotrófica. Conclusão: A atuação da do profissional fisioterapeuta é de fundamental relevância durante o curso da doença. Promovendo uma melhor qualidade de vida, para evitar as complicações e o óbito precoce. As condutas fisioterapêuticas visam manter a amplitude articular, evitar retrações musculares e prevenir trombose venosa profunda, para isso são utilizados técnicas de alongamento, exercícios ativos livres leves ou assistidos. E não se pode esquecer da fisioterapia pneumofuncional, que irá manter a higiene brônquica e os pulmões desobstruídos (através de aerosolterapia, drenagem postural e manobras desobstrutivas).

Publicado
2019-01-09
Seção
XV Mostra Acadêmica do Curso Fisioterapia