ATUAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NA SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO: REVISÃO DE LITERATURA

  • Bianca Royer Weschenfelder
  • Diego Henrique do Carmo Jayme
  • Lara Castro Ávila
  • Luane Damásio Nogueira
  • Ludmila Souza da Silveira
  • Daniella Alves Vento
  • Wesley dos Santos Costa

Resumo

Introdução: A síndrome do túnel do carpo (STC) é uma patologia decorrente de uma compressão do nervo mediano em consequência do estreitamento do compartimento do túnel do carpo, apresentando sintomas como dormência, distúrbios sensoriais e motores. Para o alívio sintomático da síndrome, são utilizados procedimentos fisioterapêuticos, reduzindo o uso de fármacos e recuperando a capacidade funcional do paciente.  Objetivos: Realizar uma revisão bibliográfica de modo a salientar a eficácia da fisioterapia no tratamento da STC. Método: Foi efetuado um levantamento nas bases de dados do Google Scholar e SciELO (Scientific Electronic Libary Online), Periódicos Capes e Medline (National Library of Medicine). Utilizaram-se os descritores: “síndrome do túnel do carpo”, “fisioterapia” e “reabilitação”, de forma individual e combinada. Foram selecionados artigos em português e inglês, publicados entre os anos de 2008 a 2018, e que detivesse como foco central a abrangência da fisioterapia no tratamento da STC. Após as buscas, os artigos foram lidos em sua totalidade e foram excluídos os estudos que não contemplavam os critérios de inclusão. Resultados: Inicialmente foram selecionados 15 artigos, após análise de conteúdo foram excluídos 06 estudos, restando 09 artigos como base de dados para o presente estudo. De modo específico, dos 09 estudos escolhidos, 04 artigos trazem relatos sobre utilização da eletroterapia combinado com a cinesioterapia como tratamento principal para a patologia, 01 traz relatos sobre o uso da bandagem terapêutica, 03 destacam a laserterapia combinado com o uso de ultrassom e 01 ressalta apenas o uso do ultrassom. Além disso, desses 09 artigos, 03 também ressaltam a indicação de tratamento cirúrgico quando com o tratamento fisioterapêutico não há significante melhora, desses 03 estudos, 02 relatam a importância da fisioterapia no pós-operatório. Apesar das diferentes abordagens utilizadas, há um consenso entre todos os artigos quanto a eficácia da fisioterapia na melhora clínica nos sintomas relacionados a dor, ao processo inflamatório e ao aprimoramento da atividade mecânica. Conclusão: As diferentes técnicas fisioterapêuticas no tratamento da STC são eficazes tanto na prevenção, como durante a doença e na reabilitação.

Publicado
2019-01-09
Seção
XV Mostra Acadêmica do Curso Fisioterapia