IMPACTO DE UM PROTOCOLO DE REABILITAÇÃO COM EXERCÍCIOS COMBINADOS SOBRE FATORES DE RISCO CARDIOVASCULARES E FUNÇÃO CARDIORRESPIRATÓRIA EM ESTUDANTE UNIVERSITÁRIA: RELATO DE CASO

  • Altair Pinto Fonseca
  • Amanda Lustosa Pires
  • Juliana Abreu Romualdo
  • Mayara Juventino Viana
  • Rayanne Cristina Cunha
  • Vanessa De Almeida e Silva
  • Kelly Cristina Borges Tacon
  • Viviane Soares Centro Universitário-UniEvangélica
Palavras-chave: Fatores de Risco. Função cardiorrespiratória. Reabilitação Cardiovascular.

Resumo

Introdução: As doenças cardiovasculares têm origem multifatorial. Fatores de risco são variáveis que predispõem ao aparecimento e ao desenvolvimento das cardiopatias. Para tanto, o objetivo do presente estudo foi acompanhar a progressão de um protocolo de reabilitação cardiovascular sobre os fatores de risco antropométricos, hemodinâmicos e bioquímicos, além a aptidão cardiorrespiratória, que é considerado um fator de proteção para doenças cardiovasculares. Métodos: Trata-se de um estudo de caso realizado com uma acadêmica do curso de Fisioterapia, J.A.R de 21 anos, entre o mês de setembro e outubro de 2018. Os fatores de risco antropométricos analisados, antes e após o protocolo de reabilitação, foram o índice de massa corporal (IMC), circunferência de cintura e relação cintura/quadril e os parâmetros hemodinâmicos, pressão arterial, frequência cardíaca e saturação periférica de oxigênio. A função cardiorrespiratória foi avaliada pela manuvacuometria, espirometria e o teste de Cooper para aptidão cardiorrespiratória. Descrição de caso: Após a intervenção houve redução de 5,6 kg, IMC para 24,3 kg/m² deixando a faixa de sobrepeso. A Pressão arterial (PA) para 120x70 mmHg, havendo uma redução de 29/31 mmHg, saindo de pré-hipertensa para normotensa. Quanto a Pimáx aumentou para 93 cmH2O (aumento de 8 cmH2O) e a Pemáx para 111 cmH2O (aumento de 40cmH2O). A VEF1 aumentou 40 mL e a CVF 60 mL após a intervenção. O Teste de Cooper apresentou resultados de 27,60 ml/kg de VO2 máx. Conclusão: Evidenciou-se que a participante apresentou mudanças positivas nos parâmetros antropométricos, pressão arterial, bioquímicos, na força muscular respiratória e aptidão cardiorrespiratória.

Referências

AZEVEDO et al. Remodelação cardíaca: conceitos, impacto clínico, mecanismos fisiopatológicos e tratamento farmacológico. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Análises Clínicas; Sociedade Brasileira de Diabetes, Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial. Consenso para Normatização da Determinação Laboratorial do Perfil Lipídico. Versão 1,13, dezembro de 2016.

BRITO, Bárbara et al.; Doenças Cardiovasculares: Fatores de risco em adolescentes. Cogitare Enferm. v.21,n.2, 2016.

GUEDES, D. P; GUEDES, J. E. R. P. Manual Prático Para Avaliação Em Educação Física. Barueri-SP: Manole, 2006.

VII Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 107, n. 3 Supl 3, 2016.

GALVÃO, F. et al. Normatização de técnicas e equipamentos para realização de exames em ergometria e ergoespirometria. São Paulo: Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 80, p. 458-64, 2003.

GUEDES, D. P. et al. Atividade Física, Aptidão Cardiorrespiratória, Composição da Dieta e Fatores de Risco Predisponentes às Doenças Cardiovasculares. Arq. Bras. Cardiol., v. 77, n. 3, p.243-50, 2001.

NEDER, J. A. et al. Reference values for lung function tests: I. Static volumes. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, v. 32, p. 703-717, 1999.

ONIS, M. et al. Development of a WHO growth reference for school-aged children and adolescents. Bull World Health Organ, v. 85, n. 9, p. 660-7, Sep 2007. ISSN 0042-9686 (Print) 0042-9686.

PEREIRA, C. A. C. et al. Espirometria. Jornal de Pneumologia, v. 28, n. Suppl 3, p. S1-S82, 2002.

ROMANZINI, M. et al. Prevalência de fatores de risco cardiovascular em adolescentes. Londrina, 2007.
Publicado
2019-01-09
Seção
XV Mostra Acadêmica do Curso Fisioterapia