EXISTE ASSOCIAÇÃO ENTRE DEPRESSÃO E GRAU DE DEPENDÊNCIA EM IDOSOS RESIDENTES EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA NA CIDADE DE ANÁPOLIS?

  • Carlos Henrique Viana Pereira de Deus
  • Igor Evangelista Silva
  • Miriã Cândida Oliveira
  • Thays Silva Menezes
  • Ilana de Freitas Pinheiro
  • Kelly Cristina Borges Tacon
Palavras-chave: Depressão. Dependência. Institucionalizados. Idosos.

Resumo

Introdução: O envelhecer é um processo de ordem biopsicossocial que altera toda a função do indivíduo, causando um declínio em suas habilidades físicas, afetando diretamente suas atividades de vida diária (AVD’s). Com a perca da grande parte de sua funcionalidade e para que tenham total atenção integral, consequentemente, os familiares consideram a opção de um órgão de instituição de longa duração para idosos (ILPI) para que obtenham todo o cuidado necessário. Com isso, alguns indivíduos podem desenvolver a depressão e a total dependência. Para tanto, objetivo do presente estudo foi de verificar se existe associação entre a depressão e o grau dependência em idosos institucionalizados Métodos: Trata-se de um estudo transversal, observacional realizado com idosos de uma Instituição de Longa Permanência NA Cidade de Anápolis no período de agosto de 2018.  Os instrumentos utilizados na coleta de dados foram a escala de Barthel, que avalia as atividades básicas que o indivíduo consegue realizar durante o dia a dia, e a Escala de Depressão Geriátrica (EDG), que avalia de acordo com a satisfação com a vida que leva na instituição. Resultados: Dentro do índice de Barthel, evidenciou-se que 0 (0%) tem dependência total, 2 (10%) dependência grave, 3 (15%) dependência moderada e 15 (75%) dependência leve. A escala de depressão de Yesavage demonstrou que 14 (70%) possuem depressão. Conclusão: Observou-se que não existe uma associação entre grau de dependência com a depressão na amostra estudada.

Referências

ALMEIDA, R.L.S.; REIS, H.F.C.; SANTOS, K.O.B.; FERRAZ, D.D.; Instituição de longa permanência para idosos: Avaliação das condições de acessibilidade e da funcionalidade dos idosos. Revista Saúde, v.11, n.2, p.162-173, Salvador - BA, 2015.

BRASIL (2005). ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC n.º 283, de 26 de setembro de 2005.

FERRARI, J. F.; DALACORTE, R. R.; Uso da Escala de Depressão Geriátrica de Yesavage para avaliar a prevalência de depressão em idosos institucionalizados. Scientia Medica, Porto Alegre, v. 17, n. 1, p. 3-8, jan./mar. 2007.

GALHARDO, V. A. C.; MARIOSA, M. A. S.; TAKATA, J.P.I. Depressão e perfis sociodemográfico e clínico de idosos institucionalizados sem déficit cognitivo. Revista Médica de Minas Gerais, Belo Horizonte, v. 20, n. 1, p. 16-21, 2010.

GONÇALVES, L. H. T.; SILVA, A. H.; MAZO, G. Z.; BENEDETTI, T. R. B.; SANTOS, S. M. A.; MARQUES, S.; RODRIGUES, R. A. P.; PORTELLA, M. R.; SCORTEGAGNA, H. M.; SANTOS, S. S. C.; PELZER, M. T.; SOUZA, A. S.; MEIRA, E. C.; SENA, E. L. S.; CREUTZBERG, M.; REZENDE, T. L. O Idoso Institucionalizado: Avaliação da Capacidade Funcional e Aptidão Física. Caderno de Saúde Pública, v.26, n.9, p.1738-46, Rio de Janeiro, 2010.

JÚNIOR, J. A. S. H.; GOMES, G. C.; Depressão em idosos institucionalizados: as singularidades de um sofrimento visto em sua diversidade. Revista SBPH, v. 17, n. 2, Rio de Janeiro Dez. 2014.

KÜCHEMANN, B. A. Envelhecimento populacional, cuidado e cidadania: velhos dilemas e novos desafios. Sociedade e Estado, v. 27, n. 1, Brasília Jan./Abr. 2012.
SILVA, E.R; SOUSA, A.R.P; FERREIRA, L.B; PEIXOTO, H.M. Prevalência e fatores associados à depressão entre idosos institucionalizados: subsídio ao cuidado de enfermagem. Revista Escola Enfermagem USP, v. 1 n.3 p.1387-1393, 2012.

SILVEIRA, L. S.; Instituições de Longa Permanência para Idosos do Recôncavo Sul da Bahia. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. [tese]. Cachoeira: Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, Centro De Artes Humanidades e Letras; 2012.

TREVISAN, J.G.; Avaliação cognitiva, funcional e sintomas depressivos em pacientes idosos institucionalizados. Programa de Aprimoramento Profissional, Bauru-SP, 2009.

VIANA, W.S.; SOUZA, H.B.; SILVA, M.S.S.; CARDOSO, T.V.; Avaliação do grau de independência funcional de idosos institucionalizados. In: CONVIBRA – Gestão, Educação, Gestão e Promoção da Saúde, 2013. p. 01-12. Disponível em : http://www.convibra.com.br/upload/paper/2013/78/2013_78_7293.pdf.

WISNIEWSK, M. S.; CASTRO, M. B.; MORETTO, D.; BIAZUSSI, I.; Atenção e acompanhamento fisioterapêutico em idosos institucionalizados. Campus Erichim, Out. 2016. Disponível em: https://www.google.com/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=2ahUKEwi_sJeW2__eAhXCDZAKHaTUDroQFjAAegQICRAC&url=http%3A%2F%2Fwww.reitoria.uri.br%2F~vivencias%2FNumero_004%2Farquivos%2FATEN%25C7%25C3O%2520E%2520ACOMPANHAMENTO%2520FISIOTERAP%25CAUTICO%2520EM%2520IDOSOS%2520%2520INTITUC.doc&usg=AOvVaw2X8v2avKg6LdCQ8n50k_gm.
Publicado
2019-01-09
Seção
XV Mostra Acadêmica do Curso Fisioterapia