CORRELAÇÃO ENTRE A AUTOEFICÁCIA EM AMAMENTAÇÃO E DEPRESSÃO PÓS-PARTO

  • Amanda Fernandes Pereira Brito
  • Amanda Rassi
  • Júlia Moura Nader
  • Letícia Ohana de Oliveira Carvalho
  • Nathália de Carvalho Moreira
  • Marluce Martins Machado da Silveira
Palavras-chave: Aleitamento materno. Autoeficácia. Depressão pós-parto.

Resumo

A gestação é um período de intensas mudanças na vida da mulher e de sua família. Entre os transtornos psíquicos da puerperalidade, destaca-se a depressão pós-parto (DPP), a qual é caracterizada pela ocorrência de um episódio depressivo maior no período pós-parto. Esse transtorno pode interferir na amamentação, uma vez que, mães deprimidas têm menor probabilidade de iniciar ou manter a amamentação, além de correlacionar-se com a autoeficácia, ou seja, a confiança da mãe para amamentar. O objetivo deste estudo é correlacionar depressão pós-parto e autoeficácia na amamentação entre mulheres que frequentam o Banco de Leite do município de Anápolis, Goiás, por meio da aplicação de duas escalas: a Escala de Autoeficácia na Amamentação – versão reduzida e a Escala de Depressão Pós-Parto de Edimburgo. Trata-se de um estudo de natureza quantitativa do tipo transversal. A coleta de dados será feita mediante assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido e será assistida por, no mínimo, um colaborador, o qual será capacitado para aplicação das escalas. Os resultados obtidos serão arquivados em um banco de dados e as análises quantitativas serão realizadas com a estatística descritiva pelo software Statistical Package for Social Science, por meio do coeficiente de correlação de Pearson. Espera-se que o fornecimento dos resultados para a instituição de pesquisa auxilie em medidas que visem reduzir o índice de depressão pós-parto e, ao mesmo tempo, ampliação da promoção da amamentação.

Publicado
2018-12-28
Seção
XV Mostra de Saúde - 10 anos do Curso de Medicina