AVALIAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA DE SUCOS NATURAIS DE LARANJA COMERCIALIZADOS EM GARRAFAS PET NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS

  • Ana Vitória de Lima SILVA
  • Jenniffer Ramos de Paula LIMA
  • Raphael Rocha de OLIVEIRA
Palavras-chave: Análises físico-químicas. Laranja. Suco natural

Resumo

O suco de laranja é o suco mais consumido no Brasil em sua forma natural, segundo a Instrução Normativa nº 01, de 07 de janeiro de 2000 (BRASIL, 2000), que aprova o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade para Polpa de Fruta e Suco de Fruta, a definição de suco de laranja consiste em uma bebida não fermentada, não diluída, obtida da parte comestível da laranja (Citrus sinensis), através de processos tecnológicos adequados. Assim como qualquer alimento, este suco necessita da realização de análises físico-químicas, para identificar alguns problemas como alterações, tanto físico-químicas, quanto sensoriais, para pesquisar e quantificar aditivos alimentares e verificar se há fraudes e adulterações feitas no produto, pois esses fatores quando alterados influência diretamente em sua qualidade (FLORIANO, 2012).O objetivo do estudo foi realizar análises físico-químicas de sucos naturais, de sabor laranja, vendidos em garrafas PET, para avaliar a qualidade e a adequação dos produtos ao seu Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade. Foram analisados, no Laboratório de Química, localizado no Bloco C do Centro Universitário de Anápolis-UniEVANGÉLICA, seis sucos naturais de laranja, sendo todos comercializados em garrafas PET, lacrados, dentro do prazo de validade e mantido sob refrigeração, como exigido pelo fabricante. Realizou-se as análises de acidez total, sendo seu resultado de no mínimo 7,0g/100g determinação de açúcares totais pelo método de Lane Eynon, onde o valor exigido é de no máximo 13,00g/100g, determinação de resíduos secos pelo método gravimétrico, onde a legislação não estabelece padrões para tal análise, determinação de vitamina C pelo método de Tillmans, com padrão de 25g/100g, cor e aroma que deverão ser específicos. As metodologias são descritas pelo Instituto Adolfo Lutz (IAL, 2008). E todas os padrões citados foram baseados de acordo com a Instrução Normativa nº01/2000.Os resultados obtidos nas análises dos produtos analisados foram: Em vitamina C, os valores encontrados nas amostras variaram de 12,5mg/100mg a 258mg/100mg, com média de 98,4mg/100mg, em determinação de acidez total variou-se de 7,7g/100g a 15g/100g, com média de 9,5g/100mg, na determinação de açúcares totais, valores variaram entre 0,04g/100g e 0,07g/100g, apresentando média de 0,05g/100g. A quantidade de açúcares totais foi baseada apenas em glicídios redutores em glicose, pois, a análise de determinação de glicídios não redutores em sacarose apresentou-se ausente, porque o suco é natural e não há adição de açúcar. Nas análises de cor e aroma obteve-se parâmetros característicos, como descritos em suas especificações. Em determinação de resíduos secos os resultados apresentados foram de 5,02% a 9,02%, com média de 7,23%. Tal padrão não é estabelecido na lei, assim, comparou-se com o estudo de Andrade et al. (2014), que encontraram valores entre 9,22% e 18,48%.Conclui-se que de seis amostras analisadas, cinco estão de acordo com os padrões de identidade e qualidade da legislação vigente, pois uma das amostras estava em desacordo para a determinação de vitamina C. Os padrões de identidade e qualidade são de suma importância e necessitam ser devidamente seguidos, porque eles estabelecem os valores permitidos e com isso garante a qualidade ao produto e ao consumidor.

Publicado
2019-01-02
Seção
XII Simpósio em Estudos Farmacêuticos