USO DA ESCALA DE HOUSE BREACKMANN COMO PARÂMETRO NA EVOLUÇÃO DA PARALISIA FACIAL PERIFÉRICA: UM RELATO DE CASO

  • Anna Bárbara Caixeta Silva
  • Lara Cristina Barroso Leão
  • Luciana Araújo Costa
  • Marcos Henrique Sousa Lôbo
  • Rafael Gustavo Nunes Oliveira
  • Elisângela S. Mendes Moreira
  • Rúbia Mariano Silva
  • Kelly Cristina Borges Tacon
Palavras-chave: Paralisia Facial. Fisioterapia. Reabilitação.

Resumo

Introdução: A paralisia facial periférica (PFP) é a perda dos movimentos da mímica facial devido ao acometimento do nervo facial, a fisioterapia desempenha um papel fundamental na recuperação deste paciente. Porém faz-se necessários parâmetros que avaliem o grau de melhora destes pacientes. Para tanto, o objetivo do presente estudo foi relatar a evolução de um paciente diagnosticado com PFP, atendido pelo serviço de fisioterapia de uma Clínica Escola, onde foi utilizado a Escala de House-Brackmann como parâmetro de sua evolução. Métodos: Analise transversal na área de DTM e dor orofacial, de paciente não identificado, sexo masculino, durante 6 atendimentos realizados pelo serviço de fisioterapia de um a Clínica Escola na cidade de Anápolis no período de 14 a 30 de agosto de 2018. Para coleta de dados foi utilizado dados do prontuário do paciente contendo anamnese, exame físico objetivo e plano de tratamento, bem como evolução diária do mesmo.  Descrição do caso: paciente A. G. C., sexo masculino, aposentado, 76 anos procurou o Serviço de Fisioterapia da Clínica Escola da UniEvangélica encaminhado pelo neurologista, com o diagnóstico de PFP, com queixando se de “não fechar os olhos, alta sensibilidade a claridade e pálpebra caída” SIC. Apresentou PFP grau 4 de acordo com a escala, onde os músculos da lateral direita de sua face foram comprometidos. Resultados: Paciente evoluiu para uma melhora global, passando de grau 4 para o grau 3 na escala. Conclusão: O paciente respondeu positivamente ao tratamento proposto e a escala utilizada foi importante para mensurar esta melhora.

Referências

ATOLINI JUNIOR, N.; JORGE JUNIOR, J.J; GIGNON, F.V.; KITICE, T.A.; PRADO, A.S.L, SANTOS, W.G. Paralisia Facial Periférica: Incidência de várias etiologias num ambulatório de atendimento terciário, Arquivo Internacional de Otorrinolaringologia, v.13, n2, p.167-171, 2009.

CORREIA, T.; SAMPAIO, J.M; ALMEIDA, R. et al. Paralisia Facial Periférica: Diagnóstico, Tratamento,Orientação. Revista do Hospital Maria Pia v.19, n. 3, p.155-159, 2010.

FURTADO, R.M.; MARTINS, C.K.; FORMIGA, R. Prognóstico e tratamento fisioterapêutico da criança com paralisia facial periférica idiopática: relato de caso. Revista Movimenta, v.2, n. 4, p.154-158, 2009.

WENCESLAU, LGC et al., Paralisia facial periférica: atividade muscular em diferentes momentos da doença. CoDAS , v.28, n.1, p.3-9, 2016.
Publicado
2019-01-09
Seção
XV Mostra Acadêmica do Curso Fisioterapia