REABILITAÇÃO EM TENDINOPATIA DO SUPRAESPINHOSO: RELATO DE CASO

  • Erika Veiga Araújo
  • Lara de Castro Ávila
  • Jordana de Oliveira Cardoso
  • Monielly Bárbara de Paula
  • Felipe Augusto de Sousa
  • Maria Alice Alves Ferreira
  • Bianca Royer Weschenfelder
  • Rúbia Mariano Silva
  • Kelly Cristina Borges Tacon
Palavras-chave: Reabilitação. Tendinopatia. Supraespinhoso. Estudo de caso.

Resumo

Introdução: A tendinopatia do supraespinhoso, também conhecida como síndrome do impacto, a fisioterapia dispõe de vários recursos para o tratamento de tendinopatias, melhorando quadro álgico, amplitude de movimento e força. Para tanto, o objetivo do presente estudo foi relatar o caso de um paciente com diagnóstico de tendinopatia do supraespinhoso atendido pelo serviço de fisioterapia de uma Clínica Escola na cidade de Anápolis no período de setembro a novembro de 2018, bem como evidenciar novas técnicas de tratamento baseadas em evidência científica. Métodos: O relato foi feito com analise transversal na área de Fisioterapia Ortopédica, de paciente não identificado, durante 10 atendimentos realizados pelo serviço de fisioterapia de um a Clínica Escola na cidade de Anápolis no período de setembro a novembro de 2018. Para coleta de dados foi utilizado dados do prontuário do paciente contendo anamnese, exame físico objetivo e plano de tratamento, bem como evolução diária do mesmo.  Descrição do caso: Paciente A.C.F, 54 anos, sofreu uma fratura de úmero, foi submetido à cirurgia, onde posteriormente acarretou-se à uma tendinopatia do supraespinhoso. O diagnóstico fisioterapêutico foi hipotrofia muscular de deltóide esquerdo, perca de amplitude de movimento (ADM) e da funcionalidade do ombro. A corrente russa utilizada como principal recurso terapêutico foi bastante eficaz para reabilitação e melhora do paciente, juntamente com exercícios cinesioterápicos. Conclusão: A corrente russa e exercícios cinesioterápicos apresentaram excelentes resultados no tratamento do paciente relatado.  Porém existem outras técnicas e métodos como acupuntura, Maitland que precisam de melhor comprovação cientifica dos seus efeitos.

Referências

CECHINEL, A. K.; PESCI, F. B. P.; SEGATTI, G.; OLIVEIRA, G. M.; ANGUERA, M. G.; BERTOLINI, G. R. F. Uso da Corrente Aussie na dor muscular de início tardio. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, v.12, n. 74, p. 282-288. São Paulo, 2018.

GOMES, E. A.; MEJIA, D. A eficácia dos recursos fisioterapêuticos utilizados no tratamento da Tendinite do Supraespinhoso. 2017. Disponível em http://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/37/06_-_A_eficYcia_dos_recursos_fisioterapeuticos_utilizados_no_tratamento_da_Tendinite_do_Supra-espinhoso.pdf.

MACÊDO, P. R. S.; COSTA, R. C. S.; SOUZA, C. G.; LEITE, E. C. F. Intervenções Fisioterapêuticas na Tendinopatia do Ombro: uma revisão de literatura. Anais do Cingresso Internacional de Envelhecimento Humano, v. 2, n. 1, 2015.

MELISCKI, G. A.; MUNHOZ, P. J.; CARNESECA, E. C.; JUNIOR, M. F.; GIGLIO, C. A. Diferentes modalidades terapêuticas no tratamento da tendinopatia do supraespinhoso. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 26, n. 2, p. 201-207, 2014.

METZKER, C. A. B. Tratamento conservador na síndrome do impacto no ombro. Revista Fisioterapia em movimento, v. 23, n. 1, p. 141-151, 2010.
Publicado
2019-01-09
Seção
XV Mostra Acadêmica do Curso Fisioterapia