ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DE MIELOMELINGOCELE: UM RELATO DE CASO

  • Camila Sousa Caixeta
  • Lívia Ferreira Alves
  • Luane Damásio Nogueira
  • Ludmila Silveira Souza
  • Marcelly Souza Matias
  • Millena Luíza Silva
  • Roberta Thais Santos
  • Wellisday Rhavilla de Sá
  • José Luiz Martins
  • Elisângela S. Mendes Moreira
  • Samara Lamounier Santana Parreira
  • Kelly Cristina Borges Tacon
Palavras-chave: Mielomeningocele. Fisioterapia. Reabilitação. Estudo de caso.

Resumo

Introdução: A Mielomeningocele (MMC) é descrita como uma imprecisão conatural em que a coluna vertebral não se forma ao redor da medula espinhal, onde a não ingestão materna de ácido fólico antes e durante a gravidez é um dos fundamentos comprovados para a maioria dos casos de defeito do tubo neural. A fisioterapia tem um papel fundamental para os portadores dessa deformidade congênita. O presente estudo teve como objetivo relatar o caso de um paciente diagnosticado com Mielomeningolcele, atendido pelo serviço de fisioterapia de uma Instituição de Ensino Superior, bem como identificar inovações tecnológicas e terapias complementares baseadas em evidencia científica na área. Métodos: O relato foi feito com analise transversal na área de Fisioterapia Neurofuncional Infantil, de paciente não identificado, durante 10 atendimentos realizados pelo serviço de fisioterapia de um a Clínica Escola na cidade de Anápolis no período de setembro a novembro de 2018. Para coleta de dados foi utilizado dados do prontuário do paciente contendo anamnese, exame físico objetivo e plano de tratamento, bem como evolução diária do mesmo.   Descrição do caso: Paciente B.S.M do sexo masculino, com 1 ano e 3 meses de idade, nasceu de parto cesariana com 38 semanas e passou por 6 cirurgias, apresenta, total dependência de cuidador para as atividades diárias. Encontra-se em tratamento fisioterapêutico, terapia ocupacional, fonoaudiologia e hidroterapia Conclusão: Observou-se uma evolução clínica no paciente, mesmo não sendo assistido por equipamentos de melhores tecnologias, levando em consideração um aperfeiçoamento no controle do tronco, além de voltar a engatinhar e até conseguir sentar novamente.

Referências

AIZAWA, C.Y.P. et al. Fisioterapia convencional e fisioterapia com estimulação reflexa apresentam resultados semelhantes em crianças com milomeningocele. Arquivos de Neuropsiquiatria, v.75, n.3, p.160-166. 2017.

ARAZPOUR, M. et al. Effect of Orthotic Gait Training with Isocentric Reciprocating Gait Orthosis on Walking in Children with Mylomeningocele. Topics in Spinal Cord Injury Rehabilitation, v. 23, n. 2, p.147-154. 2017.

AUSILI,E. et al. Bone mineral density and body composition in a myelomeningocele children population: effects of walking ability and sport activity. Europen Review for Medical and Pharmacological Sciences, v.12, p.49-354, 2008.
BRANDÃO, A.D; FUJISAWA, D.S; CARDOSO J.R. Características de Crianças com Mielomeningocele: implicações para a fisioterapia. Revista Fisioterapia em Movimento, v. 22, n.1, p.69-75. 2009.

CAVACANTEI, A.V. et al. Influência do treino em esteira na marcha em dupla tarefa em indivíduos com Doenças de Parkinson: estudo de caso. Revista Fisioterapia Pesquisa, v.21, n.3, p.291-296. 2014.

CAMINITTI, C.M.D. et al. Body composition and energy expenditure in a population of children and adolescentes with mylomeningocele. Archivos Argentinos de Pediatria, v. 116, n.1, p.8-13. 2018.

DIZ, M.A.R; BARBIERI M.B; PASTRELLO, F.H.H. Desenvolvimento de um equipamento de suporte de suspensão do peso corporal para reabilitação da marcha de crianças com necessidades especiais. Revista Anuário da Produção Acadêmica Docente, v. 5, n. 10, p.113-122. 2011.

FERREIRA, F.R. et al. Independência funcional de crianças de um a quatro anos com milomeningocele. Revista Fisioterapia e Pesquisa, v. 25, n. 2, p.196-201. 2018.

KANCHEIRA, V. Et al. (2017). Prenatal folic acid use associated with decreased risk of myelomeningocele: A casecontrol study offers further support for folic acid fortification in Bangladesh. PlosOne, v. 12, n. 11, p.1-10, 2017.

LANGE, R.C.D; SANTOS, E.B.B; ORTIZ, T.A. Uso do Parapodium como tecnologia assistiva para o atendimento de crianças com necessidades educativas especiais.

LIPTAK, G.S. et al. Mobility Aids For Children with high-level Myelomeningocle. Developmental Medicine and Child Neurology, v. 345, n. 9, p.787-796. 1992.

LUZ, C.L. et al. Relação entre função motora, cognição, independência funcional e qualidade de vida em pacientes com mielomeningocele. Arquivos de Neuropsiquiatria, v. 75, n. 8, p.509-514. 2017.

ROCHA, E.F; CASTIGLIONI, M.C. Reflexões sobre recursos tecnológicos: ajuda técnicas, tecnologia assistiva, tecnologia de assistência e tecnologia de apoio. Revista Terapia Ocupacional Universidade de São Paulo, v.16, n.3, p.97-104. 2005.
Publicado
2019-01-09
Seção
XV Mostra Acadêmica do Curso Fisioterapia