MUDANÇAS NOS PARADIGMAS DO CÂNCER COLORRETAL: AS RAZÕES PARA O AUMENTO DA INCIDÊNCIA E OCORRÊNCIA EM FAIXAS ETÁRIAS MAIS JOVENS

  • Beatriz Aparecida Cruz Fuini
  • Gabriela Lima Mendes Nepomuceno
  • Gustavo Marques Paulino
  • Isabella Augusto Santos
  • Isadora Melo Viana
  • Matheus Henrique Morais Calazans
  • Flávio Vecchi Barbosa Junior
Palavras-chave: Câncer colorretal. Jovem. Mudança. Fatores de risco.

Resumo

O câncer colorretal é, atualmente, o terceiro tipo de neoplasia mais incidente e o segundo com maior letalidade no mundo. Tido, atualmente, como um mal típico da terceira idade, é impossível ignorar seu crescimento em populações mais jovens em detrimento daquela. Diante disso, o trabalho tem como objetivo avaliar as possíveis causas para essa mudança. Trata-se de uma revisão de literatura executada a partir de pesquisas nas bases de dados Scielo, PubMed, Europe PMC e Google Acadêmico, sob os descritores: câncer colorretal e incidência; ​ colorrectal cancer, incidence, havendo sido selecionados, ao final, os 20 artigos melhor adequados ao estudo. Além disso, foram feitas leituras das revistas Nature Genetics e Journal PLOS Genetics e de matérias nos sítios de navegação INCA e British Society of Gastroenterology. Como resultados, encontrou-se que, simultaneamente, os muitos fatores de risco comportamentais e suas consequências patológicas têm aumentado na classe jovem, a taxa de triagem mantém-se estagnada, somente aumentando nas idades avançadas. Embora os artigos reconheçam que, pela falta de pesquisa destinada à questão, não seja certeira, essa é a provável causa para a expansão dos casos da doença na população juvenil. Conclui-se, portanto, que hábitos de vida, males associados a esses, em conjunto com a falta de triagem são os prováveis responsáveis pelo aumento do acometimento na juventude pelo câncer colorretal.

Referências

ADAMOWICZ, K.; WROTKOWSKA, M.; ZAUCHA, J. M. Body mass index as a predictor of colorectal cancer. Przegl Epidemiol, v. 69, n. 4, p. 779-785, 2015.

AHNEN, D. J. et al. The increasing incidence of young-onset colorectal cancer: a call to action. In: Mayo Clinic Proceedings. Elsevier, p. 216-224, 2014.

ALMEIDA, L. et al. Alimentação como fator de risco para câncer de intestino em universitários. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 30, n. 1, 2017.

ARNOLD, M. et al. Global patterns and trends in colorectal cancer incidence and mortality. Gut, v. 66, n. 4, p. 683-691, 2017.

EL-MAFARJEH, E.; RYOO, S. W. Modelo longitudinal de estudo de doenças crônicas--um estudo de 26 pacientes com câncer colorretal (CCR). Revista de Medicina, v. 94, n. 1, p. 35-36, 2015.

GONG, J. et al. Genome-wide interaction analyses between genetic variants and alcohol consumption and smoking for risk of colorectal cancer. PLoS genetics, v. 12, n. 10, p. e1006296, 2016.

HSIEH, M. et al. Development of a Prediction Model for Colorectal Cancer among Patients with Type 2 Diabetes Mellitus Using a Deep Neural Network. Journal of clinical medicine, v. 7, n. 9, p. 277, 2018.
ISELLA, C. et al. Stromal contribution to the colorectal cancer transcriptome. Nature genetics, v. 47, n. 4, p. 312, 2015.

KEKU, T. O. et al. The gastrointestinal microbiota and colorectal cancer. American Journal of
Physiology-Gastrointestinal and Liver Physiology, v. 308, n. 5, p. G351-G363, 2014.

KIM, S. et al. Sex-and gender-specific disparities in colorectal cancer risk. World journal of gastroenterology: WJG, v. 21, n. 17, p. 5167, 2015.

LANG, M.; GASCHE, C. Chemoprevention of colorectal cancer. Digestive Diseases, v. 33, n. 1, p. 58-67, 2015.

LEE, D. et al. Association between oral health and colorectal adenoma in a screening population. Medicine, v. 97, n. 37, p. e12244, 2018.

LIU, W. et al. The Anti-Inflammatory Effects of Vitamin D in Tumorigenesis. International journal of molecular sciences, v. 19, n. 9, p. 2736, 2018.

MANGIFESTA, M. et al. Mucosal microbiota of intestinal polyps reveals putative biomarkers of colorectal cancer. Scientific reports, v. 8, n. 1, p. 13974, 2018.

OLIVEIRA, M. M. et al. Disparities in colorectal cancer mortality across Brazilian States. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 21, 2018.

RIBEIRO, S. M. F. et al. Effects of zinc supplementation on fatigue and quality of life in patients with colorectal cancer. Einstein (Sao Paulo), v. 15, n. 1, p. 24-28, 2017.

RONCUCCI, L.; MARIANI, F. Prevention of colorectal cancer: How many tools do we have in our basket?. European journal of internal medicine, v. 26, n. 10, p. 752-756, 2015.

SIEGEL, R. L. et al. Colorectal cancer statistics, 2017. CA: a cancer journal for clinicians, v. 67, n. 3, p. 177-193, 2017.

SIEGEL, R.; DESANTIS, C.; JEMAL, A. Colorectal cancer statistics, 2014. CA: a cancer journal for clinicians, v. 64, n. 2, p. 104-117, 2014.

SONG, M.; GARRETT, W. S.; CHAN, A. T. Nutrients, foods, and colorectal cancer prevention. Gastroenterology, v. 148, n. 6, p. 1244-1260. e16, 2015.
Publicado
2018-12-28
Seção
XV Mostra de Saúde - 10 anos do Curso de Medicina