INFLUÊNCIAS BIOLÓGICAS E AMBIENTAIS DO TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA E SUAS REPERCUSSÕES PSICOSSOCIAIS

  • Ana Claudia Elias Nascimento
  • Gabriel Andrade Borges
  • Lucas Henrique Cavalcante Sousa
  • Matheus Castro Junqueira
  • Victoria César Monteiro
  • Aline de Araújo Freitas
Palavras-chave: Transtorno Autístico. Genética. Etiologia. Terapia.

Resumo

O transtorno do espectro autista (TEA) é um grupo de distúrbios neuropsíquicos heterogêneo que atinge a linguagem, a cognição e a interação social. O objetivo deste estudo foi descrever as influências biológicas e ambientais no desenvolvimento do Transtorno do Espectro Autista e suas repercussões psicossociais. A etiologia do TEA é multifatorial. Notou-se que 2% das causas associam-se a anormalidades cromossômicas, 10% a micro duplicações e micro deleções, 5% a doenças monogênicas, 3% a causas ambientais e 80% a causas multifatoriais e epigenéticas. As causas maternas – foco deste estudo – relacionam-se com maior incidência do TEA. A PCR materna elevada associa-se com o risco de autismo. A positividade para anticorpos Anti – TPO durante a gravidez aumentou em 80% a chance de desenvolvimento de autismo nos filhos. Crianças expostas à doença hipertensiva específica da gravidez apresentaram probabilidade duas vezes maior de serem diagnosticadas com TEA. A modalidade de parto que mais se associou ao TEA foi o parto cesáreo eletivo. Sobre as repercussões psicossociais, nota-se que o tempo dedicado a essas crianças é alto e prejudica a saúde e a vida pessoal dos cuidadores. O despreparo destes é um fator agravante da dificuldade de comunicação e inclusão do autista. Quanto maior o tempo de acompanhamento profissional, maior a interação social. Portanto, conclui-se que, dentre as influências biológicas sobre o TEA em crianças, as implicações genéticas são as mais relevantes, entretanto, as ambientais mostram-se tão presentes quanto, com destaque para as causas maternas. As repercussões sociais do TEA afetam de forma intensa as suas relações interpessoais.

Referências

ZANOLLA, TA. et al. Causas genéticas, epigênicas e, ambientais do transtorno do espectro autista. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, v. 15, n. 2, p. 29-42, 2018.

DE CASTRO, CB et al. Aspectos sociodemográficos, clínicos e familiares de pacientes com o transtorno do espectro autista no sul de Santa Catarina. Revista Brasileira de Neurologia, v. 52, n. 3, p. 20-28, 2016.

FARIÑA, L et al. Genética Molecular y Trastornosdel Espectro Autista. Anales de La Facultad de Medicina, Universidad de la República, Uruguay, v. 2, n. 1, p. 9-21, 2015.

YOO, H. Genetics of autismo spectrum disorder: current status and possible clinical applications. Experimental neurobiology, v. 24, n. 4, p. 257-272, 2015.

GRAYAA, S. et al. Plasma oxysterolprofiling in childrenreveals 24-hydroxycholesterol as a potentialmarker for Autism Spectrum Disorders. Biochimie, v.153, n. 2, p. 80-85, 2018.

BROWN, AS. et al. Elevated maternal C-reactiveproteinandautism in a nationalbirthcohor t. Molecular psychiatry, v. 19, n. 2, p. 259-264, 2014.

BROWN, AS. et al. Maternal thyroidautoantibodyandelevated risk of autism in a nationalbirthcohort. Progress in Neuro-PsychopharmacologyandBiologicalPsychiatry, v. 57, p. 86-92, 2015.

CURRAN, EA. Et al. Exposuretohypertensive disorder sof pregnancy increases the risk of autism spectrum disorder in affected offspring. Molecular neurobiology, v. 55, n.7, p. 1-8, 2018.

CURRAN, EA. et al. Associationbetweenobstetricmodeof delivery andautismspectrumdisorder: a population-based sibling design study. JAMA psychiatry, v. 72, n. 9, p. 935-942, 2015.
COSTA, MIF. et al. Diagnóstico genético e clínico do autismo infantil. ArqNeuropsiquiatr, v. 56, n. 1, p. 24-31, 1998.

LEMOS, ELMD. et al. Inclusão de crianças autistas: um estudo sobre interações sociais no contexto escolar. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 20, n. 1, p. 117-130, 2014
.
CAMARGO, SH. Competência social, inclusão escolar e autismo: um estudo de caso comparativo. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 28, n. 3, p. 315-324, 2012.

GOMES, CGS. Autismo e ensino de habilidades acadêmicas&58; adição e subtração Autismandteachingacademic skills&58; additionandsubtraction. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 13, n. 3, p. 345-364, 2007.
LEMOS, ELMD. et al. Inclusão de crianças autistas: um estudo sobre interações sociais no contexto escolar. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 20, n. 1, p. 117-130, 2014.

CAMARGO, SPH. Competência social, inclusão escolar e autismo: revisão crítica da literatura. Psicologia & sociedade. São Paulo SP. Vol. 21, n. 1 (jan./abr. 2009), p. 65-74, 2009.

FARIAS, IM. Interação professor-aluno com autismo no contexto da educação inclusiva: análise do padrão de mediação do professor com base na teoria da Experiência de Aprendizagem Mediada. Revista brasileira de educação especial, v. 14, n. 3, 2008
.
COSTA, HM et al. Transtorno do espectro do autismo: o cotidiano de cuidadores informais e pessoas cuidadas. Revista Ciência & Saberes-Facema, v. 2, n. 4, p. 310-315, 2017.

CARVALHO FILHA, FSS. (Con)vivendo no espectro do autismo: facilidades, entraves e perspectivas.Revista Eletrônica Acervo Saúde/ElectronicJournalCollection Health, v. 9, n. 2, p. 1052-1058, 2017.

MISQUIATTI, ARN et al. Sobrecarga familiar e crianças com transtornos do espectro do autismo: perspectiva dos cuidadores. Revista CEFAC, v. 17, n. 1, p. 192-200, 2015.

BENITEZ, P; DOMENICONI, C. Capacitação de agentes educacionais: proposta de desenvolvimento de estratégias inclusivas. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 30, n. 3, p. 371-386, 2014.

FRANZOI, MAH et al. Intervenção musical como estratégia de cuidado de enfermagem a crianças com Transtorno do Espectro do Autismo em um centro de atenção psicossocial. Texto & Contexto-Enfermagem, v. 25, n. 1, p. 1-8, 2016.

DANFORTH, AL. et al. MDMA-assistedtherapy: a new treatmentmodel for social anxiety in autisticadults. Progress in Neuro-PsychopharmacologyandBiologicalPsychiatry, v. 64, p. 237-249, 2016.
Publicado
2018-12-28
Seção
XV Mostra de Saúde - 10 anos do Curso de Medicina