A RELAÇÃO HUMANIZADA NA TRÍADE HOSPITALAR: PROFISSIONAL DA SAÚDE, FAMÍLIA E PACIENTE PEDIÁTRICO.

  • Mariana Godoy de Araújo
  • Dariana Milhomem Batista
  • Karla Roberta Paz Oliveira Oliveira
  • Letícia Fernanda Oliveira Oliveira
  • Luís Felipe Martins Pires
  • Mariana Moreira Rosa
  • Rayssa Chaveiro Nunes Souza
  • Viviane Lemos da Silva Fernandes
  • Ilana de Freitas Pinheiro
  • Cecília Magnabosco Melo
Palavras-chave: Relação Profissional-família, Humanização da Assistência.

Resumo

Introdução: Crianças hospitalizadas apresentam vulnerabilidades, necessitando de cuidados especializados que exigem o conhecimento técnico e cuidados familiares. O objetivo do trabalho foi analisar a relação dos profissionais de saúde com a família-paciente pediátrico e compreender as estratégias utilizadas pelos profissionais da saúde quanto a abordagem da criança e sua família.  Métodos: Revisão bibliográfica que utilizou as bases de dados SCIELO e LILACS, para a busca de artigos referentes ao tema "Relação dos profissionais de saúde com a família-paciente pediátrico", publicados entre 2015 a 2018, com os descritores “Relação profissional-família”, “humanização da assistência”, pesquisados de forma individual e combinados com a palavra-chave “crianças”. Foram escolhidos 5 artigos que mais se adequaram ao tema. Resultados: Foram encontrados 9 artigos. Destes foram escolhidos 5 artigos que mais se adequaram ao tema. O acompanhamento da família no processo de hospitalização da criança é de grande importância para que seja fornecido informações para o diagnóstico e tratamento e a comunicação entre o profissional e família deve ser feita de forma clara, direta e empática. A humanização precisa estar presente no dia a dia de todos os profissionais da saúde, sendo necessário uma formação acadêmica humanizada para que todos saibam lidar com as situações vivenciadas diariamente em hospitais e clínicas. Conclusão: A relação entre os profissionais da saúde e família-paciente pediátrico deve ser realizada de forma humanizada, boa comunicação da equipe com o paciente e seus acompanhantes. A atenção à família ou responsáveis deve ser tão importante quanto à atenção e cuidado ao indivíduo doente.

Referências

DAMM, L; LEISS, U; HABELER, U; ENRICH, J. Melhorar os Cuidados Através de uma Melhor Comunicação: Continuando o debate, v. 157, n. 2, p. 501-502, 2015.

GOMES, G. C. G; XAVIER, D. M; PINTANEL, A. C; FARIAS, D. H. R; AQUINO, D. R; Significados Atribuídos por Familiares na Pediatria Acerca de suas Interações com os Profissionais da Enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 49, n. 6, p. 953-959, 2015.

GONÇALVES, K. G; FIGUEIREDO, J. R; OLIVEIRA, S. X; DAVIM, R. M. B; CAMBOIM, J. C. A; CAMBOIM, F. E. F; Criança Hospitalizada e Equipe de Enfermagem: Opinião de Acompanhantes. Revista Enfermagem UFPE Online, v. 11, n. 6, p. 2586-93, 2017.

MEKITARIAN, F. F. P; ANGELO, M; Presença da Família em Sala de Emergência Pediátrica: Opiniões dos Profissionais de Saúde. Revista Paulista de Pediatria, v. 33, n. 4, p. 460-466, 2015.

RODRIGUES, A. C; CALEGARI, T; Humanização da Assistência na Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica: Perspectiva da Equipe de Enfermagem. Revista Mineira de Enfermagem, v. 20, p. 1-7, 2016.
Publicado
2019-01-09
Seção
XV Mostra Acadêmica do Curso Fisioterapia