CONSEQUÊNCIAS DA GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: UMA SOCIEDADE CONSERVADORA

  • Guthieres Mendonça Schmitt
  • Horrana Carolina Bahmad Gonçalves
  • Jordana Daniella Inez Silva
  • Pedro Paulo Dias Soares
  • Ricardo da Silva Vieira
  • Vanessa Ribeiro
  • Erasmo Eustáquio Cozac
Palavras-chave: Gravidez na Adolescência. Planejamento Familiar. Reincidência.

Resumo

A gravidez na adolescência tem sido tema de destaque em diversos estudos nas últimas décadas. Pelas características fisiológicas e psicológicas da adolescência, uma gravidez nessa fase apresenta um grande potencial de se tornar uma gestação de risco. Assim, estudos surgem para analisar aspectos que afetam tanto a mãe quanto o recém-nascido, incluindo anticoncepção, fatores psicossociais, bem como a reincidência de gravidez após a gestação na adolescência. Objetiva-se com esse estudo descrever as consequências da gravidez na adolescência frente a uma sociedade conservadora. Constituiu-se como metodologia para a realização da revisão integrativa de literatura, a busca de artigos publicados no período de 2014 a 2018 nas bases de dados Medline e Portal de Periódicos CAPES com o Descritor em Ciências da Saúde (DeCS) “Teenage pregnancy”. A partir da análise qualitativa dos estudos, foi possível verificar que a anticoncepção aliada à educação, ao acesso à informação e ao planejamento familiar pode produzir um efeito positivo; de modo a contribuir para a redução da gravidez na adolescência assim como a sua reincidência. Tem-se, nesse sentido, uma sucessão de situações adversas para a adolescente. Portanto, é imperativo favorecer o pensamento crítico para transformar a realidade conservadora e resistente quando o assunto é saúde reprodutiva, aconselhamento sobre métodos contraceptivos e planejamento familiar.

Referências

ALVES DE SOUZA, T. et al. Gravidez na adolescência: percepções, comportamentos e experiências de familiares. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 13, n. 4, 2012.

ANDERSON, C. A.; PIERCE, L. Depressive symptoms and violence exposure: contributors to repeat pregnancies among adolescents. The Journal of perinatal education, v. 24, n. 4, p. 225, 2015.

BRITO, M. B. et al. Low Level of Knowledge of Contraceptive Methods among Pregnant Teens in Brazil. Journal of pediatric and adolescent gynecology, v. 31, n. 3, p. 281-284, 2018.

COOK, S. MC; CAMERON, S. T. Social issues of teenage pregnancy. Obstetrics, Gynaecology & Reproductive Medicine, v. 25, n. 9, p. 243-248, 2015.

COSTA, G. et al. Psychosocial factors faced by pregnant women in late adolescence. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, vol.23, n.1, p.1-8, 2018.

DAMLE, L. F. et al. Early initiation of postpartum contraception: does it decrease rapid repeat pregnancy in adolescents?. Journal of pediatric and adolescent gynecology, v. 28, n. 1, p. 57-62, 2015.

DE ARAÚJO, R. et al. Gravidez na adolescência: consequências centralizadas para a mulher. Revista Temas em Saúde, vol.16, n.2, p.567-587,2016.

FINIGAN-CARR, N. M. et al. Preventing rapid repeat pregnancy and promoting positive parenting among young mothers in foster care. Social work in public health, v. 30, n. 1, p. 1-17, 2015.

KAMALAK, Z. et al. Adolescent pregnancy and depression: is there an association?. Clinical and experimental obstetrics & gynecology, v. 43, n. 3, p. 427, 2016.

LINDBERG, L. D. et al. Changing patterns of contraceptive use and the decline in rates of pregnancy and birth among US adolescents, 2007–2014. Journal of Adolescent Health, v. 63, n. 2, p. 253-256, 2018.

MARANHÃO, T. A. et al. Repercussão da iniciação sexual na vida sexual e reprodutiva de jovens de capital do Nordeste brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, p. 4083-4094, 2017.

MCCLELLAN, K. et al. The Latest in Teen Pregnancy Prevention: Long-Acting Reversible Contraception. Journal of Pediatric Health Care, v. 32, n. 5, p. e91-e97, 2018.

MPHATSWE, W. et al. Prevalence of repeat pregnancies and associated factors among teenagers in KwaZulu‐Natal, South Africa. International Journal of Gynecology & Obstetrics, v. 133, n. 2, p. 152-155, 2016.

MUNSLINGER, I. M. et al. A maternidade na perspectiva de mães adolescentes. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 29, n. 3, p. 357-363, 2016.

NERLANDER, L. M. et al. Short interpregnancy interval associated with preterm birth in US adolescents. Maternal and child health journal, v. 19, n. 4, p. 850-858, 2015.

NERY, I. S. et al. Fatores associados à reincidência de gravidez após gestação na adolescência no Piauí, Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 24, p. 671-680, 2015.

OLIVEIRA, A. et al. Baixo peso, ganho ponderal insuficiente e fatores associados à gravidez na adolescência em uma maternidade escola de Maceió, Alagoas. Revista Brasileira de Nutrição Clínica, vol.30, n2, p.159-163, 2015.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Adolescentes grávidas: cumprindo promessas globais de esperança. Genebra: Serviços de Produção de Documentos da OMS; 2006.

RESTA, D. G. et al. Maternidade na adolescência: significado e implicações. Revista Mineira de Enfermagem, v. 14, n. 1, p. 68-74, 2010.

RODRIGUES, A. R. S. et al. Reincidência da gravidez na adolescência: percepções das adolescentes. Enfermagem em Foco, v. 7, n. 3/4, p. 66-70, 2016.

TABORDA, J. A. et al. Consequências da gravidez na adolescência para as meninas considerando-se as diferenças socioeconômicas entre elas. Caderno Saúde Coletiva Online (Rio J.), v. 22, n. 1, p. 16-24, 2014.

VAZ, R. F. et al. Trends of teenage pregnancy in Brazil, 2000-2011. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 62, n. 4, p. 330-335, 2016.

VIEIRA, C. L. et al. Rapid repeat pregnancy in Brazilian adolescents: interaction between maternal schooling and age. Journal of pediatric and adolescent gynecology, v. 29, n. 4, p. 382-385, 2016.

ZANCHI, M. et al. Pregnancy recurrence in adolescents in Southern Brazil. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 63, n. 7, p. 628-635, 2017.
Publicado
2018-12-28
Seção
XV Mostra de Saúde - 10 anos do Curso de Medicina