AVALIAÇÃO DOS FATORES EXTRÍNSECOS E INTRÍNSECOS E O PROCESSO DE ACEITAÇÃO DO ENVELHECIMENTO

  • Flávio Augusto Bragança Teixeira
  • Júlia Oliveira Carvalho
  • Natália Sousa Costa
  • Northon Oliveira Rocha Brito
  • Pedro Henrique Ribeiro Ramos
  • Júlia Maria Rodrigues Oliveira
Palavras-chave: Fatores extrínsecos. Fatores intrínsecos. Envelhecimento. Aceitação.

Resumo

O envelhecimento é um processo universal, inevitável e inerente à condição humana. Por sua vez, classifica-se idoso como todo aquele que possui 65 anos ou mais em países desenvolvidos, ou acima de 60 anos nos países em desenvolvimento. A velhice abrange aspectos extrínsecos, como o fotoenvelhecimento, o tabagismo e os radicais livres, e intrínsecos, como a menopausa, a andropausa e o encurtamento dos telômeros, sendo esses os retratados neste trabalho. Além desses aspectos citados, vale ressaltar o processo de aceitação do envelhecimento de forma individual à cada idoso. No presente estudo, a aceitação foi relacionada com as seguintes variáveis: qualidade de vida, gênero, família, sexualidade e espiritualidade. Assim sendo, o objetivo do artigo é analisar os fatores extrínsecos e intrínsecos e o processo de aceitação do envelhecimento, sendo que a questão norteadora para a pesquisa foi “quais são alguns fatores relacionados ao envelhecimento e como é sua aceitação pelas pessoas?”. As bases consultadas foram a National Library of Medicine and National Institutes of Health (PUBMED), Scientific Electronic Library Online (SciELO) e a National Library of Medicine (MEDLINE), com a seleção de 21 artigos na língua inglesa ou portuguesa. Foi possível observar que o envelhecimento é resultado de uma dinâmica multifatorial, que exige aceitação e ainda carece de estudos complementares.

Referências

ALMEIDA, A. V. et al. A Feminização da Velhice: Em foco as características socioeconômicas, pessoais e familiares das idosas e o risco social / The Feminization of Old Age. Textos & Contextos (porto Alegre), Porto Alegre, v. 14, n. 1, p.115-131, 2015.
BABOSA, B. R., et al. Avaliação da capacidade funcional dos idosos e fatores associados à incapacidade. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 8, p. 3317-3325, 2014.
BITTAR, S. T.; TOZATO C.; CARVALHO, N. A. A.; FRANCA, HS, Santili, C. A percepção de mulheres com osteoporose no período do climatério em relação a um programa de exercício físico. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa, São Paulo, v. 60, n. 2, p.72-75, 2015.
BRAGA, I. B., et al. A percepção do Idoso sobre Saúde e Qualidade de Vida na Terceira Idade. Revista de Psicologia, v. 9, n. 26, p.211-222, 2015.
CACHIONI, M., et al. Subjective and psychological well-being among elderly participants of a University of the Third Age. Rev. bras. geriatr. gerontol., Rio de Janeiro , v. 20, n. 3, p. 340-351, 2017 .
CAMARGO, B. V., et al. Representações sociais do envelhecimento entre diferentes gerações no Brasil e na Itália. Psicol. pesq., Juiz de Fora, v. 8, n. 2, p. 179-188, 2014.
CAMPOS, A. C. V., et al. Perfil do envelhecimento saudável de idosos brasileiros octogenários. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 24, 2016.
CHAVES, L. J.; GIL, C. A. Older people’s concepts of spirituality, related to aging and quality of life. Ciênc. saúde colet, v. 20, n. 12, 2015.
CORRÊA, L. Q.; SILVA, M. C.; ROMBALDI, A. J. Sintomas de disfunção sexual em homens com 40 ou mais anos de idade: prevalência e fatores associados. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 16, n. 2, p.444-453, 2013.
CUNHA, V. N. C. Efeitos da intensidade do treinamento aeróbio sobre o comprimento do telômero e suas proteínas de proteção durante o envelhecimento. Universidade Católica de Brasília (UCB), Brasília, 2015.
FALLER, J. W.; TESTON, E. F.; MARCON, S. S. Old age from the perspective of elderly individuals of different nationalities. Texto contexto - enferm., Florianópolis , v. 24, n. 1, p. 128-137, 2015.
FERREIRA, V. N., et al. Menopausa: marco biopsicossocial do envelhecimento feminino. Psicol. Soc., Belo Horizonte, v. 25, n. 2, p. 410-419, 2013.
HAN, A.; CHIEN, A. L.; KANG, S. Photoaging. Dermatol Clin, v. 32, n. 3, p. 291-299, jul. 2014.
LOPES, M. J.; ARAÚJO, J. L.; NASCIMENTO, E. G. C. O envelhecimento e a qualidade de vida: a influência das experiências individuais. Revista Kairós: Gerontologia, v. 19, n. 2, p. 181-199, 2016.
MARI, F. R., et al. The aging process and health: what middle-aged people think of the issue. Rev. bras. geriatr. gerontol., Rio de Janeiro , v. 19, n. 1, p. 35-44, 2016.
OLIVEIRA, E. F. S; MERCADANTE, E. F; PÔRTO, E. F. Percepção de homens e mulheres maiores de 50 anos sobre a estética do envelhecimento. Lifestyle journal, v. 2, n. 2, 2015.
REIS, C. M.; MONTEIRO, C. F. B. Velhice na contemporaneidade: uma análise psicossocial. Revista Uningá, v. 50, n. 1, 2018.
SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA (SBD). Envelhecimento. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2018.
SOHAL, S. R; ORR, W. C. The redox stress hypothesis of aging. Free Radical Biology and Medicine, v. 52, n. 3, p. 539-555, 2012.
SOUZA, M. A. H., et al. Profile of lifestyle of older elderly persons. Rev. bras. geriatr. gerontol., Rio de Janeiro , v. 19, n. 5, p. 819-826, 2016.
VERAS, M. L. M., et al. Processo de envelhecimento: um olhar do idoso. Revista interdisciplinar, v. 8, n. 2, p.113-122, abr. mai. 2015.
VIEIRA, K. F.; COUTINHO, M. P. L.; SARAIVA, E. R. A. A Sexualidade Na Velhice: Representações Sociais De Idosos Frequentadores de Um Grupo de Convivência. Psicol. cienc. prof., Brasília, v. 36, n. 1, p. 196-209, 2016.
Publicado
2018-12-28
Seção
XV Mostra de Saúde - 10 anos do Curso de Medicina