A IMPORTÂNCIA DA DETECÇÃO DOS SINAIS PRECOCES NO TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA (TEA)

  • Isabella Caroline Andrade
  • Isabelle Dias Cavalcante
  • Laís Rodrigues Melo
  • Mândala Borges Dias
  • Nathália Maria Fonseca
  • Talita Braga
Palavras-chave: Transtorno do Espectro Autista. Comportamento Infantil. Desenvolvimento Infantil. Habilidades Sociais.

Resumo

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) se refere a déficits persistentes na comunicação e na interação social em múltiplos contextos, como na reciprocidade socioemocional, nos comportamentos comunicativos não verbais usados para a interação social e déficits para desenvolver, manter e compreender relacionamentos. O diagnóstico é essencialmente clínico, com base em observações, entrevistas parentais e aplicação de ferramentas específicas. Esse estudo trata-se de uma revisão integrativa da literatura e para sua realização foram selecionados 23 artigos, sendo 9 em língua inglesa, 2 em língua espanhola e os 12 em língua portuguesa. As datas de publicação dos artigos abrangem os anos de 2014 a 2018. Os descritores em ciências da saúde (DeCS) utilizados foram: Transtorno do Espectro Autista (TEA), Autismo, Autism Spectrum Disorder, Comportamento Infantil, Desenvolvimento Infantil e Habilidades Sociais. Com base nesses foram utilizadas as bases de dados Publisher Medicine (PubMed), Scientific Electronic Library Online (SciELO) e Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS). Este trabalho teve por objetivo descrever a importância da detecção dos sinais precoces no Transtorno do Espectro Autista, uma vez que desde os seis meses de idade é possível identificar traços autistas. Os portadores não manifestam interesse significativos por objetos inanimados, mesmo estes sendo oferecidos pela mãe ou por algum familiar, sendo que o esperado nessa idade é a socialização mãe-bebê, além disso também apresentam o desinteresse na brincadeira compartilhada, fato que não está presente na criança não autista. Portanto, para um diagnóstico precoce é necessário uma colaboração entre família e uma equipe multiprofissional.

Referências

American Psychiatry Association. Diagnostic and Statistical Manual of Mental disorders - DSM-5. 5th.ed. Washington: American Psychiatric Association, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Transtornos do Espectro do Autismo (TEA). Brasília, Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, 2014.

CORREA, C.; SIMAS, F.; PORTES, J.R.M. Socialization Goals and Action Strategies of Mothers of Children With Suspected Autism Spectrum Disorder. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 24, n. 2, p. 287-302, 2018.

COSSIO, A.P.; PEREIRA, A.P.S.; RODRIGUEZ, R.C.C. Benefícios e Nível de Participação na Intervenção Precoce: Perspectivas de Mães de Crianças com Perturbação do Espetro do Autismo. Revista Brasileira de Educação Especial, v.23, n. 4, p. 505-516, 2017.

EBERT, M.; LORENZINI, E.; SILVA, E.F. Mothers of children with autistic disorder: perceptions and trajectories. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 36, n. 1, p. 49-55, 2015.

GOMES, C.G.S., et al. Intervenção Comportamental Precoce e Intensiva com Crianças com Autismo por Meio da Capacitação de Cuidadores. Revista Brasileira de Educação Especial, v.23, n. 3, p. 377-390, 2017.

GOMES, P.T.M., et al. Autism in Brazil: a systematic review of Family challenges and coping strategies. Jornal de Pediatria, v.91, n. 2, p. 111-121, 2015.

GUTIÉRREZ, J.F; CHANG, M.; BLANCHE, E.I. Funciones Sensoriales en Niños Menores de 3 años Diagnosticados con Trastorno Del Espectro Autista (TEA). Revista Chilena de Terapia Ocupacional, v.16, n. 1, p. 89-98, 2016.

JENDREIECK, C.O., et al. Dificuldades Encontradas pelos Profissionais da Saúde ao Realizar Diagnóstico Precoce de Autismo. Revista Psicologia Argumento, v.32, n.77, p.153-158, 2014.

MACHADO, F.P., et al. Parental responses to autism classic signs in two screening tools. Audiology - Communication Research, v. 21, e. 1659, 2016.

MERGL, M.; AZONI, C.A.S. Echolalia’s types in children with Autism Spectrum Disorder. Revista CEFAC, v.17, n.6, p.2072-2080, 2015.

NASCIMENTO, Y.C.M.L., et al. Transtorno do Espectro Autista: Detecção Precoce pelo Enfermeiro na Estratégia Saúde da Família. Revista Baiana de Enfermagem, v. 32, e. 25425, 2018.

PINTO, R.N.M., et al. Autismo infantil: impacto do diagnóstico e repercussões nas relações familiares. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 37, n. 3, e. 61572, 2016.

REINOSO, G. El Desarrollo de un Cuestionario para Padres para la Medición de la Responsividad Sensorial en Niños con Diagnóstico de Autismo (CMRS). Revista Chilena de Terapia Ocupacional, v. 16, n. 1, p. 68-87, 2016.

REIS, H.I.S.; PEREIRA, A.P.S.; ALMEIDA, L.S. Da avaliação à intervenção na perturbação do espetro do autismo. Revista Educação Especial, v. 29, n. 55, p. 269-280, 2016.

RIBEIRO, S.H., et al. Barriers to early identification of autism in Brazil. Revista Brasileira de Psiquiatria, v. 39, p. 352-354, 2017.

SABOIA, C., et al. Do Brincar do Bebê ao Brincar da Criança: Um Estudo sobre o Processo de Subjetivação da Criança Autista. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 33, e. 33426, p. 18, 2017.

SANTOS, A.C., et al. Intervention in Autism: Social Engagement Implemented by Caregivers. Paidéia, v. 25, n. 60, p. 67-75, 2015.

SEIZE, M.M.; BORSA, J.C. Instrumentos para Rastreamento de Sinais Precoces do Autismo: Revisão Sistemática. Psico-USF, v. 22, n. 1, p. 161-176, 2017.

ZANON, R.B.; BACKES, B.; BOSA, C.A. Autismo: construção de um Protocolo de Avaliação do Comportamento da Criança – Protea‑R. Revista Psicologia: Teoria e Prática, v. 18, n. 1, p. 194-205, 2016.

ZANON, R.B; BACKES, B.; BOSA, C.A. Identificação dos Primeiros Sintomas do Autismo pelos Pais. Revista Psicologia: Teoria e Prática, v. 30, n. 1, p. 25-33, 2014.

ZANON, R.B; BACKES, B.; BOSA, C.A. Autism diagnosis: Relation among contextual, family and child factors. Revista Psicologia: Teoria e Prática, v. 19, n. 1, p. 164-167, 2017.

ZAQUEU, L.C.C., et al. Associações entre Sinais Precoces de Autismo, Atenção Compartilhada e Atrasos no Desenvolvimento Infantil. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 31, n. 3, p. 293-302, 2015.
Publicado
2018-12-28
Seção
XV Mostra de Saúde - 10 anos do Curso de Medicina