O PAPEL DO ENFERMEIRO NO INCENTIVO AO PARTO NORMAL

  • Meillyne Alves dos REIS
  • Ana Lúcia DUARTE
  • Pollyana Silva LIMA
Palavras-chave: Parto normal. Assistência de enfermagem. Cuidados de enfermagem.

Resumo

INTRODUÇÃO: A parturição representa evento muito importante na vida das mulheres, um momento único marcado pela transformação da mulher em seu novo papel, o de ser mãe. O parto é um momento de grande intensidade e pode marcar para sempre a vida de uma mulher. Pode ser também um momento de muitas dúvidas, dentre elas qual a melhor forma para o bebê vir ao mundo, através parto normal ou da cesariana? É fundamental um pré-natal de qualidade considerando a integralidade e especificidade de cada gestante. OBJETIVO: Descrever o papel do enfermeiro no incentivo ao parto normal. METODOLOGIA: Trata-se de uma revisão bibliográfica da literatura de abordagem exploratória qualitativa, realizada na Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) nas bases de dados Literatura Latino Americana do Caribe em Ciências em Saúde (LILACS), Base de Dados de Enfermagem (BDENF) e Scientific Eletronic Library Online (SciELO), além de manuais do ministério da saúde publicados no período de 2008-2016 nos idiomas português e inglês. RESULTADOS: Os dados foram organizados em tabelas, quadros sinópticos, figuras e posteriormente categorizados. Foram incluídos dezoito artigos no presente estudo. Emergiram duas categorias: a primeira denominada o parto normal, vantagens, desvantagens e políticas públicas de saúde, a segunda intitulada o enfermeiro na condução do pré-natal e o seu papel facilitador do trabalho de parto, parto e nascimento. No Brasil, as intervenções no parto permanecem altas. Em grande parte a assistência é inadequada e intervencionista, o que retira o papel de protagonista da parturiente, tornando-a frágil e submissa a uma situação que a fragiliza, descaracteriza e violenta sua autonomia de parir. Nessa condição, o momento do parto e do nascimento passa a ser encarado com medo devido à ameaça de riscos de dor, de sofrimento e de morte, e a cesariana passa a ser uma possibilidade de fuga e de proteção da dignidade, uma vez que o modelo de parto normal é considerado degradante. Para garantir que a equipe de saúde evite as intervenções desnecessárias e que preserve a privacidade e autonomia da mulher, é necessário que a atenção humanizada se inicie no pré-natal. O Ministério da Saúde reconhece que é necessário individualizar a assistência à mulher para se humanizar o atendimento, além disso, esse modelo de assistência permite ao profissional perceber as necessidades da mulher, lidar com o processo do nascimento e também adotar condutas que tragam bem-estar e garantam a segurança para a mulher e o bebê. CONCLUSÃO: O enfermeiro deve ofe­recer à mulher a possibilidade de vivenciar a experiência do trabalho de parto e o parto como processos fisioló­gicos, sentindo-se protagonista nesses processos. O acolhimento,a promoção da presença de acompanhante, a promoção de um ambiente adequado ao cuidado, a transmissão de calma e segurança às mulheres,o uso da água, óleos essenciais, aroma e música que proporcionam o relaxamento e conforto corporal são práticas de cuidados que dignificam o trabalho de parto e o parto.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco/Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2012.
BRASIL. Ministério da Saúde. DATASUS. Indicadores e Dados Básicos: Brasil, 2012 (IDB 2012). Disponível em: . Acesso em 10 abr. 2016.
CAPILÉ, C.S. et al. ENFERMAGEM E HUMANIZAÇÃO NO CUIDADO À MULHER DURANTE O PARTO. Revista Baiana de Enfermagem, Salvador, v. 25, n. 2, p. 155-160, maio/ago. 2011. Disponível em: . Acesso em 21 fev. 2017.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. OMS. Maternidade segura. Assistência ao parto normal: um guia prático. Genebra: OMS, 1996.
VELHO, M. B. et al. Vivência do parto normal ou cesáreo: revisão integrativa sobre a percepção de mulheres. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 21, n.02,p.458-66, Abr./Jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2016.
Publicado
2019-01-07
Seção
II Simpósio de Produção Científica do Curso de Enfermagem da UniEVANGÉLICA