DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM EM PACIENTES PORTADORES DE ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO

UMA REVISÃO DA LITERATURA

  • Tatiana Caexeta FERREIRA
  • Sandra Maria SANCHES
Palavras-chave: Acidente vascular encefálico. Sistematização da Assistência de Enfermagem. Cuidados de Enfermagem.

Resumo

INTRODUÇÃO: Uma das ferramentas utilizadas pelo enfermeiro é a sistematização da assistência de enfermagem (SAE) e, dentre as suas cinco etapas, destaca-se o diagnóstico de enfermagem. Considera-se que os diagnósticos de enfermagem são de suma importância para os pacientes portadores de AVE, possibilitando a equipe enfermagem maior condições de prever situações indesejáveis e assistir o paciente de forma holística e iniciar o processo de reabilitação. OBJETIVOS: Descrever a sistematização da assistência de enfermagem em pacientes com consequências físicas de acidente vascular encefálico. METODOLOGIA: Trata-se de uma revisão de literatura. Após a seleção do material através de bibliotecas virtuais ocorreu a leitura do material que se classifica em leitura exploratória, seletiva, analítica e interpretativa (GIL,2002). A coleta de dados foi realizada no primeiro semestre de 2017, em bibliotecas virtuais BIREME (Lilacs e MEDLINE) e SCIELO, utilizado os Descritores em Ciências de Saúde (DeCS): diagnóstico de enfermagem, acidente vascular encefálico, e assistência de enfermagem Foram selecionados, as publicações no idioma português que estiveram em concordância com a pergunta norteadora, que tenham sido publicados no período de 2010 a 2016 e que possuam texto online disponível na integra. Foram excluídos artigos com mais de 7 anos de publicação e que não descrevessem o respeito aos aspectos éticos da pesquisa. Foram selecionados 11 artigos, dos quais, após o refinamento e leitura tiveram o conteúdo agrupado em três categorias de análise: diagnósticos de enfermagem em pacientes portadores de AVE, dificuldades de implementação da SAE em portadores de AVE e importância de um cuidado individualizado em portadores de AVE. RESULTADOS: os diagnósticos de enfermagem identificados segundo a taxonomia I da Nanda, com predominância entre os autores foram: comunicação verbal, risco de aspiração, risco de queda; mobilidade física prejudicada; deambulação prejudicada; estilo de vida sedentário; risco de síndrome do desuso; risco de intolerância à atividade e capacidade de transferência prejudicada. A reabilitação dos indivíduos acometidos é individual e está relacionada com o comprometimento com o tratamento. De acordo com Barbosa et al., (2012), os enfermeiros sentem-se pouco capacitados para a implementação da SAE em seu ambiente de trabalho, o estudo evidenciou também que mesmo os profissionais que se sentem capacitados encontram dificuldades para dedicar-se a este cuidado, uma vez que as unidades de saúde não dispõem de recursos suficientes para a implantação da SAE. Outro aspecto apontado pelos estudos é a falta de registros de exames físico e anamnese nos prontuários indicando uma falha nas etapas da SAE, pois são poucos os registros, sendo estes imprescindíveis para elaboração da SAE e dos diagnósticos de enfermagem. CONCLUSÃO: SAE é de suma importância sendo considerada como a melhor ferramenta de trabalho dos profissionais enfermeiros, porém ainda a dificuldades em sua implementação devido à falta de recursos humanos e matérias, além da desvalorização e falta de conhecimento por parte dos profissionais. Sendo assim, torna-se de extrema importância que o enfermeiro tenha o conhecimento necessário para elaboração de sua ação no cuidado ao portador de acidente vascular encefálico. 

Referências

BARBOSA, Eliane Pereira et al. Sistematização da Assistência de Enfermagem: Dificuldades de implantação na visão do Enfermeiro. Rev. PERSPECTIVA, Erechim. v.36, n.133, p.41-51, março, 2012. Disponível em: Acesso em: 08 de dezembro de 2017.

GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

HORTA, W. A. Processo de enfermagem. São Paulo: EPU; 1979.
Publicado
2019-02-05
Seção
II Simpósio de Produção Científica do Curso de Enfermagem da UniEVANGÉLICA