HUMANIZAÇÃO DA ASSISTENCIA

PERCEPÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM

  • Kênia Cristina Vaz Cordeiro da SILVA
  • Najla Maria Carvalho de SOUZA
Palavras-chave: Humanização da Assistência. Assistência Hospitalar. Política de Saúde. Cuidados de Enfermagem.

Resumo

INTRODUÇÃO: Na área da saúde a humanização é vista como a formulações de ações ofertadas por profissionais de saúde e gestores, para melhor atender indivíduo e comunidade mediante seu processo de saúde/doença. Para desenvolver uma assistência de qualidade e humanizada em saúde deve-se levar em consideração a cultura, o fator social e econômico a que os pacientes estão inseridos. OBJETIVO: Conhecer a percepção sobre humanização na assistência, as dificuldades encontradas e as estratégias de enfrentamento   dos profissionais de enfermagem dos hospitais públicos e privados no interior de Goiás. MÉTODO: Estudo descritivo de abordagem qualitativa, sendo a amostra composta por 29 profissionais de enfermagem, que trabalhavam em enfermarias masculinas e femininas. A coleta de dados foi realizada entre fevereiro e março de 2016. Aplicou-se a entrevista semiestruturada para obtenção dos dados, que foram posteriormente transcritos e analisados pela técnica de Análise de Conteúdo de Bardin. RESULTADO: A idade variou entre 20 e 50 anos e o tempo de serviço de 1 a 13 anos. Após análise dos dados surgiram duas categorias: “Humanização da assistência: conhecimento prévio, meio de informação e capacitação hospitalar” e “Dificuldades e estratégias de enfrentamento para uma assistência humanizada”. Referente ao “conhecimento prévio sobre humanização, meio de informação e capacitação hospitalar” a maioria dos participantes relata conhecimento prévio sobre a humanização na assistência, pontuando-a como: maneira adequada de tratar o paciente, garantir segurança, preservar direitos, individualidade e privacidade com um olhar holístico, dar atenção as queixas e necessidades. Para que os participantes se atualizassem sobre a temática foram utilizados como meios: a internet através das vídeos conferências, cursos técnicos, graduação, livros, palestras, protocolos e/ou manuais do Ministério da Saúde.  Referente capacitações realizadas na instituição sobre humanização, constatou-se que: 13 não participaram de nenhuma capacitação, 07 participaram na própria instituição e 09 em outras instituições de empregos anteriores.  Na categoria “dificuldades e estratégias de enfrentamentos para realização da assistência humanizada”, as dificuldades destacadas para realizar um atendimento humanizado foram: a burocracia no  preenchimento de papeis e protocolos, falta de insumos e equipamentos, déficit de funcionários, sobrecarga de trabalho, demanda aumentada de pacientes nos setores, demora no atendimento, tecnologia, a falta de gestão nos setores, falta de realização da educação continuada, acompanhantes e/ou familiares e a falta de colaboração dos setores institucionais. As estratégias formuladas para minimizar as dificuldades foram: prestar assistência com os insumos disponível, otimizar o tempo, ultrapassar o horário de trabalho para a realização dos procedimentos, repassar aos gestores problemas existentes, orientar os acompanhantes e/ou familiares sobre os procedimentos realizados para minimizar conflitos, melhorar a comunicação e a agilidade dos setores para uma melhor colaboração. CONCLUSÃO: A temática é bastante abordada na teoria, deixando a desejar no cotidiano da prática hospitalar, e isso resulta na fragilidade da assistência de enfermagem prestada ao paciente e familiares na atenção terciária. Há uma grande necessidade de investimento no processo de humanização da assistência à saúde no SUS.

Publicado
2019-01-08
Seção
II Simpósio de Produção Científica do Curso de Enfermagem da UniEVANGÉLICA