SOBREPESO E OBESIDADE EM UM COLÉGIO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS

  • Rosana Mendes Bezerra
  • Veida Bastulhar DOURADO
  • Valéria Rodrigues RAMOS
  • Thaynara Rodrigues Queiroz SILVA
Palavras-chave: Obesidade. Enfermagem pediátrica. Adolescência.

Resumo

INTRODUÇÃO: A obesidade e sobrepeso são definidos pela Organização Mundial da Saúde como acúmulo de gordura excessivo ou anormal que prejudica a saúde. É causada por um desequilíbrio entre calorias consumidas e gastas, onde são ingeridos alimentos altamente energéticos unidos a uma inatividade física ou sedentarismo, que resultam em perfis inadequados a um bom estado de saúde. A etiologia da obesidade é multifatorial e complexa. Pode estar relacionada a fatores genéticos e fatores ambientais da modernidade vivenciada atualmente, por conta das grandes inovações tecnológicas e comportamentais que apresentam padrões alimentares ineficazes e sedentarismo. O adolescente que é obeso durante a adolescência se torna um adulto obeso. OBJETIVO: Verificar a prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares de um colégio público do município de Anápolis, Goiás na faixa etária de 10 a 18 anos. Descrever o Índice de Massa Corporal (IMC). Descrever a prática de atividades físicas. Analisar o tipo de alimentação realizada pela população infanto-juvenil. METODOLOGIA: Estudo transversal, prospectivo, descritivo, realizado com 113 escolares de um colégio público de Anápolis. RESULTADO: Ao analisar a amostra do presente estudo e comparar com outros estudos realizados em diversas regiões do país constatou-se uma taxa abaixo da média nacional de sobrepeso e obesidade. Com relação aos hábitos alimentares, o consumo de alimentos considerados saudáveis e a ingesta de água foram considerados adequados. Entretanto o consumo de alimentos considerados não saudáveis, sendo estes ricos em gorduras saturadas, sódio e açucares mostram-se elevados, sabe-se que o consumo destes alimentos está relacionado a pré-disposição de doenças crônicas não transmissíveis, portanto faz-se necessário a conscientização dos malefícios do consumo destes alimentos, visto que os hábitos adquiridos na infância e adolescência permanecerão na vida adulta. Foi relatado pelos escolares uma frequência satisfatória da prática de atividades físicas e do número de refeições diárias. CONCLUSÃO: É de suma importância a atuação do enfermeiro na prevenção e promoção da alimentação saudável, por meio de práticas de educação continuada na comunidade dentro da atenção primária e nos programas como saúde na escola (PSE), utilizando-se de política intersetorial onde profissionais da saúde junto com os profissionais da educação buscam medidas que visem a promoção da saúde e a prevenção de doenças que acometem na população infanto-juvenil. 

Publicado
2019-02-05
Seção
II Simpósio de Produção Científica do Curso de Enfermagem da UniEVANGÉLICA