IGUALDADE POLÍTICA, SOCIAL E ECONÔMICA ENTRE OS SEXOS: UMA VALORIZAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS

  • Alice Ferreira Rezende
  • Beatriz Gomes Veloso
  • Davidson Alberto Ribeiro De Freitas
  • Deusvando Luis Rosa Junior
  • Érica Camila Alves Reis
  • Flávio Henrique Martins Ribeiro
  • Ranyelle Rânyla Nunes Alves
  • Welton Esteves De Campos Júnior
  • Lila Louise Moreira Martins Franco

Resumo

Igualdade de gênero significa que homens e mulheres devem ter os mesmos direitos e deveres, sendo essa premissa considerada a base para a construção de uma sociedade livre de preconceitos e discriminações. A luta pela igualdade de gênero se intensificou em meados do século XX, impulsionada, principalmente, pelo movimento feminista, e como consequência muitos direitos já foram conquistados, como o direito ao voto das mulheres e a inserção no mercado de trabalho, mas existe ainda um longo caminho para desconstruir a visão preconceituosa e estereotipada que está entranhada na sociedade. Assim como há uma imprescindibilidade de extinguir o patriarcalismo para que nenhum homem se sinta no direito de violentar a mulher, seja social, econômica ou sexualmente. Mediante o exposto, pretende-se apresentar uma produção audiovisual desenvolvida para a disciplina Projeto Interdisciplinar de Políticas Públicas de Saúde, com a análise do tema “Princípio da Igualdade de Direitos” à luz das Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. Neste sentido, buscou-se referencial teórico pautado em artigos científicos para a análise de notícias, vídeos e imagens sobre o feminismo e a igualdade de gênero. O material analisado foi exposto no formato de produção audiovisual com duração de aproximadamente cinco minutos. Foram observados diferentes contextos históricos baseados na luta feminina e reivindicações por direitos igualitários, tais como: posição no mercado de trabalho, com igualdade salarial quando a mesma função fosse executada; e o direito de escolher seus representantes através do voto com liberdade de expressão, tal como consta na Declaração Universal dos Direitos Humanos. Considera-se que este trabalho contribuiu frente ao esclarecimento quanto ao Princípio da Igualdade de Direitos e a conscientização tanto de homens quanto de mulheres de que os direitos e deveres caminham em uma linha tênue e horizontal. Ainda hoje o termo “feminista” muitas vezes usado de forma pejorativa referencia-se a mulheres muito fortes, muito agressivas, isoladoras, e até mesmo contra os homens na visão hegemônica. Isso advindo na maioria das vezes de pessoas que desconhecem a realidade e tampouco procuram entendê-la. As mulheres almejam obter com a igualdade de direitos nada mais que uma remuneração similar aos seus colegas de trabalho homens; poder tomar decisões sobre seu próprio corpo; envolver-se na representação política e na tomada de decisões inerentes a todos; e socialmente obter o mesmo respeito que os homens.

Publicado
2019-01-10
Seção
V Mostra Cultural do Curso de Odontologia