O PAPEL DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

UMA REVISÃO DA LITERATURA

  • Tatiana Caexeta FERREIRA
  • Luana OLIVEIRA
  • Paula Miranda Alve MALAQUIAS
Palavras-chave: Parada Cardiorrespiratória. UTI. Assistência de Enfermagem.

Resumo

INTRODUÇAO: A Parada Cardiorrespiratória (PCR) é definida como o súbito cessar da atividade miocárdica ventricular útil, associada à ausência de respiração, e não tem merecido a devida atenção por parte da equipe de saúde. É um evento que ocorre com frequência em UTI, uma vez que essas unidades assistem pacientes gravemente enfermos, com instabilidade hemodinâmica acentuada, necessitando da equipe o aprimoramento de suas habilidades cognitivas, motoras e atualização sobre as manobras de reanimação (FERREIRA et al., 2012). Para que o atendimento aconteça de forma adequada, rápida e segura, a equipe multiprofissional deve estar preparada, para garantir o sucesso, além disso, a PCR requer assistência rápida, para evitar lesões e para melhor recuperação do paciente. A qualidade da assistência permite prevenção e eventos indesejáveis, que podem comprometer a saúde do paciente (MOURA et al., 2012). OBJETIVO: O objetivo desse estudo foi demonstrar a importância da assistência de enfermagem em situação de emergência ao paciente vítima de parada cardiorrespiratória na Unidade de Terapia Intensiva por meio da literatura. METODO: Trata-se de uma revisão integrativa da literatura. Com o intuito de reunir, analisar e sintetizar os estudos existentes sobre a temática proposta. Para o desenvolvimento do estudo foi realizada a busca de artigos científicos originais publicados, nas bases de dados: Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Medical Literature Analysisand Retrieval System Online (MEDLINE), PubMed Central, nos últimos seis anos (2011-2015), disponíveis na íntegra, nos idiomas português, inglês e espanhol. Foram utilizados os descritores em Ciências da Saúde (DECS): PCR, Assistência de enfermagem; UTI. Foram incluídos na revisão integrativa os estudos que obedeceram aos seguintes critérios: artigos que apresentem o conceito ou definição adotada para Parada cardiorrespiratória, no Brasil, em que as características da amostra estejam claras, bem como o país, a cidade e o setor do hospital em que tenha ocorrido a coleta de dados. Em seguida foi realizado a os seis momentos metodológicos de execução conforme Mendes (2008), definição do tema, determinação da questão norteadora, leitura exploratória, leitura na integra e analítica e analise de conteúdo. Foram selecionados 6 artigos. RESULTADOS: Após a análise de conteúdo emergiram as categorias: Procedimentos recomendados no atendimento a PCR; Conhecimentos e Dificuldades Encontradas Pela Equipe de Enfermagem. Da categoria II surgiram duas subcategorias sendo essas: Subcategoria I -  Conhecimento da Equipe Frente a PCR; Subcategoria II - Dificuldades Encontradas Pelos Profissionais de Enfermagem. CONCLUSÃO: Os resultados obtidos após a análise evidenciaram que os fatores determinantes da sobrevida das vítimas de PCR é o conhecimento do profissional da saúde, relacionado ao suporte básico de vida e suporte avançado de vida, conhecimento teórico-prático do enfermeiro acerca das manobras e o diagnóstico precoce da parada cardiorrespiratória. É necessário que o enfermeiro participe de treinamentos e atualizações e que haja investimentos em seu conhecimento, pois o resultado positivo poderá salvar vidas.

Referências

FERREIRA et al. Perfil e Conhecimento Teórico de Médicos e Enfermeiros em Parada Cardiorrespiratória, município de Rio Branco, AC; Rev. Bras. Cardiol. v. 25, n. 6, p. 464-70, 2012. Disponível em: < http://www.rbconline.org.br/wp-content/uploads/v25n06a03.pdf>Acesso em 3 nov. 2015.

MENDES, K. D. S. et al. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2008 Out-Dez; 17(4): 758-64. Disponível em: Acesso em: 24 maio 2015.

MOURA, L.T. C et al. Assistência ao paciente em parada cardiorrespiratória em Unidade de Terapia Intensiva. RENE. Ceará, v. 2, n. 13, p.419-27, 2012. Disponível em: Acesso em 3 set. 2015.
Publicado
2019-01-08
Seção
II Simpósio de Produção Científica do Curso de Enfermagem da UniEVANGÉLICA