CONHECENDO A HOSPITALIZAÇÃO EM UTI PEDIÁTRICA SOB O OLHAR DA EQUIPE DE SAÚDE E DA FAMILIA

  • Rosana Mendes Bezerra
  • Fernanda Cristina SOUSA
  • Regina Ribeiro de CASTRO
  • Flávia Ferreira de ALMEIDA
Palavras-chave: Enfermagem. UTI Pediátrica. Humanização. Família.

Resumo

INTRODUÇÃO: O termo Hospitalização traz em sua essência a percepção de uma situação desagradável acarretando percas, independente se é ou não um curto espaço de tempo ou em que faixa etária o paciente se encontra (MORAIS; COSTA, 2009). Para a família conviver com a situação de uma doença principalmente de uma criança, é para os pais um sentimento que não deve ser menosprezado pelo cuidado da equipe de enfermagem, pois se tal situação quando não acompanhada e alicerçada por Profissionais, desencadeia também uma crise familiar, onde diante da dor os pais vivenciam diversos sentimentos, sendo a culpa e impotência na ânsia de proteger o filho o que mais e levado em conta (HAYKAWA; MARCON; HIGARASHI, 2009). OBJETIVO: Conhecer frente à literatura científica como é descrita à internação em UTI pediátrica. METODOLOGIA: Estudo foi uma pesquisa descritiva de análise qualitativa em formato de revisão integrativa da literatura (MENDES;  SILVERA; GALVÃO, 2008). Realizada a busca de artigos nas bases de dados virtuais em saúde na Biblioteca Virtual de Saúde (BVS) sendo elas, Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) Sistema Online de Busca e Análise de Literatura Médica (MedLine) e na Biblioteca Científica Eletrônica (SCIELO), a amostra e composta por 9 artigos entre os anos de 2007 a 2017, com os  descritores: Enfermagem, UTI Pediátrica, Hospitalização. RESULTADOS: Foram considerados em três categorias: Sentimentos expressados pelos familiares e Equipe de Enfermagem; Ambiente especializado; visão sob aspecto de cuidado Humanizado. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Ao Escolher atuar em UTI Pediátrica é importante que o profissional da Enfermagem tenha consciência do desdobramento de suas funções, que interligam não só ao desgaste técnico da profissão, mas também ao desgaste emocional. As funções da equipe de saúde que atendem na UTI pediátrica estão constantemente relacionadas com a luta pela sobrevivência, que em muitos casos os pacientes vem a óbito, trazendo sentimentos de vulnerabilidade de não só da família, mas também  daqueles que mesmo de forma profissional, envolveram–se nos casos atendidos, torcendo para superação do paciente e o conforto da família.

Referências

CAMPOS, Eugênio Paes. Quem cuida do cuidador. Petrópolis/Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2005.

CARDOSO, Juliana Maria Rêgo Maciel et al. Ação intencional do familiar junto da criança em centro de terapia intensiva pediátrico. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, v. 21(esp.1): p. 600-5. Dez. 2013. Disponível em: < http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/10033/7818> Acesso em: 10 fev. 2018.

CINTRA, Eliane Araújo; NISHIDE, Vera Médice; NUNES, Aparecida. Assistência de enfermagem ao paciente gravemente enfermo. São Paulo: Editora Otheneu, 2008. Disponível em: Acesso em: 03 mar. 2017.

COA, Thatiana Fernanda; PETTENGILL, Myriam Aparecida Mandetta. A experiência de vulnerabilidade da família da criança hospitalizada em Unidade de Cuidados Intensivos Pediátricos. Rev. esc. enferm. USP. São Paulo, v. 45, n. 4, p. 825-832, Ago. 2011. Disponível em: . Acesso em: 18 Jun. 2018.

COSTA, Roberto Germano et al. Partial replacement of soybean meal by urea on production and milk physicochemical composition in Saanen goats. Rev. Bras. Saúde Prod. An., v.10, n.3, p. 596-603, jul/set, 2009. Disponível em: < http://revistas.ufba.br/index.php/rbspa/article/view/1264/851>. Acesso em: 17 Jan. 2018.

DEMO, Pedro. Pesquisa e construção de conhecimento: metodologia científica no caminho de Habermas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1994.

FRIZON, Gloriana. Familiares na sala de espera de uma unidade de terapia intensiva: sentimentos revelados. Rev. Gaúcha Enferm. Porto Alegre (RS), v. 32, n. 1, p. 72-8, Mar. 2011. Disponível em: Acesso em: 20 mar. 2017.

GAIVA, Maria Aparecida Munhoz; SCOCHI, Carmem Gracinda Silvan. A participação da família no cuidado ao prematuro em UTI Neonatal. Rev. Bras. Enfer, v.58, n.4, p.444-8, jul-ago. 2005. Disponível em: Acesso em: 10 mar. 2017.

HAYAKAWA, Liliana Yukie; MARCON, Sonia Silva; HIGARASHI, Ieda Harumi. Alterações familiares decorrentes da internação de um filho em uma unidade de terapia intensiva pediátrica. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre (RS), . v. 30, n. 2, p. 175-82. jun. 2009. Disponível em: Acesso em: 10 mar. 2017.

HAYAKAWA, Liliane Yukie et al. Rede social de apoio à família de crianças internadas
em uma unidade de terapia intensiva pediátrica. Rev. Bras. Enferm., Brasília, n. 63, v. 3, p. 440-5. mai-jun 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/reben/v63n3/a15v63n3.pdf> Acesso em: 09 mar. 2017.

HILLIG, Mirna Guites; RIBEIRO, Nair Regina Ritter. Grupo de pais da unidade de terapia intensiva pediátrica: percepção dos familiares. Cienc Cuid Saude. v.11, n. 1, p. 058-065. Jan/Mar 2012. Disponível em:
Acesso em: 10 mar. 2017.

MORAIS, Gilvânia Smith da Nóbrega; COSTA, Solange Fátima Geraldo. Experiência existencial de mães de crianças hospitalizadas em Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica. Rev. esc. enferm. USP[online]. vol.43, n.3, p.639-646, 2009. Disponível em: Acesso em: 18 mar. 2017.

MARTINS, Júlia T. Prazer e sofrimento no trabalho do enfermeiro em Unidades de Terapia Intensiva: estratégias defensivas. Tese. (Doutorado em Enfermagem) – Escola de Enfermagem da USP. Ribeirão Preto, 2008, 199 f. –., 2008. Disponivel em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/83/83131/tde-06102008-151026/pt-br.php> Acesso em: 05 mar. 2017.

MENDES, Karina Dal Passo Mendes; SILVEIRA, Renata Cristina de Campos Pereira; GALVÃO, Cristina Maria. Revisão Integrativa: Método de pesquisa para incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto e Contexto Enferm, Florianópolis. v. 17, n. 4, p. 758-64, out/dez, 2008. Disponivel em: Acesso em: 05 mar. 2017.

MORTON, Patrícia Gonce, 1952 – Cuidados Críticos de enfermagem: uma abordagem holística. Guanabara Koogan. Rio de Janeiro: 2011.

NIEWEGLOWSKI, Viviane Hultmann; MORÉ, Carmen Leontina Ojeda Ocampo. Comunicação equipe-família em unidade de Terapia intensiva pediátrica: impacto no Processo de hospitalização. Estud. psicol. Campinas. v. 25, n.1, p.111-122, 2008. Disponível em: Acesso em: 05 mar. 2017.

PINHO, Leandro Barbosa de; SANTOS, Silvia Maria Azevedo dos. Dialética do cuidado humanizado na UTI: contradições entre discurso e a prática profissional do enfermeiro. Rev. Esc. Enferm USP. v. 42, n. 1, p. 66-72, 2008. Disponível em: Acesso em: 23 mar. 2017.

RODRIGUES, Amanda Cunha; CALEGARI, Tatiany. Humanização da assistência na unidade de terapia intensiva Pediátrica: perspectiva da equipe de enfermagem. REME - Rev Min Enferm.v. 20, n. 933. 2016. Disponível em: Acesso em: 24 mar. 2017.

ROMAN, Arlete Regina, FRIEDLANDER, Maria Romana. Revisão integrativa de pesquisa aplicada a enfermagem. Cogtare Enferm. Curitiba, v. 3, n. 2, p. 109-112, jul/dez 1998. Disponível em: < https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/44358/26850> Acesso em: 24 mar. 2017.

SALICIO, Dalva Benine. GAIVA, Maria Aparecida Munhoz. O Significado de humanização da assistência para enfermeiros que atuam em UTI. Revista Eletrônica de Enfermagem. v. 08, n. 03, p. 370-376, 2006. Disponível em: Acesso em: 24 mar. 2017.
Publicado
2019-01-08
Seção
II Simpósio de Produção Científica do Curso de Enfermagem da UniEVANGÉLICA