A COERÊNCIA ENTRE OBJETIVO E ESTRATÉGIA DE ENSINO/APRENDIZAGEM

  • Constanza Thaise Xavier Silva
  • Cristiana Marinho de Jesus França
  • Everaldo José de Oliveira
  • Jorleide Lyra Pereira Bernardes
  • Francielle Nunes de Azevedo Romanowski
  • Geraldo José de Oliveira
  • Liliane Braga Monteiro dos Reis
  • Luciana Carvalho Boggian
  • Monarko Nunes de Azevedo
  • Ruberval Ferreira de Morais Júnior
  • Evelin Soares de Oliveira Oliveira
  • Larissa Santana Arantes Elias Alves
Palavras-chave: Estratégias de ensino e aprendizagem. Objetivos de ensino. Taxonomia de Bloom.

Resumo

Na educação, decidir e definir os objetivos de aprendizagem significa estruturar, de forma consciente, o processo educacional para oportunizar mudanças de pensamentos, ações e condutas, abarcando os aspectos cognitivos, afetivos, atitudinais, psicomotor e de competências. A estruturação dos objetivos deve ser resultado de um processo de planejamento ligado diretamente à escolha do conteúdo e da estratégia a ser adotada por um determinado período de tempo. A coerência entre os objetivos e as estratégias de ensino aprendizagem é muito importante para que o docente e o discente entendam o caminho a ser percorrido e onde devem chegar, garantindo um processo de ensino/aprendizagem efetivo. Portanto, o objetivo deste estudo é discutir a utilização de estratégias de ensino/aprendizagem para alcançar o domínio cognitivo do conteúdo. O domínio cognitivo envolve a aquisição de um novo conhecimento, do desenvolvimento intelectual, de habilidade e de atitudes novas. Bloom e colaboradores (1956) descreveram categorias do domínio cognitivo que abrangem o conhecimento, a compreensão, a aplicação, a análise, a síntese e, por fim, a avaliação. Para que o processo de ensino aprendizagem seja exitoso todas estas categorias devem estar presentes na definição dos objetivos dos conteúdos programáticos e alinhadas às estratégias de ensino aprendizagem. Quando os objetivos de aprendizagem permearem a categoria do conhecimento, pode-se planejar a utilização de tempestade cerebral, buscando fomentar a aprendizagem significativa de David Ausubel que diz que "O fator isolado mais importante que influencia o aprendizado é aquilo que o aprendiz já conhece", a aula expositiva dialogada que media, organiza, esclarece e norteia o estudo do conteúdo e vídeo aulas. Na categoria compreensão pode-se trabalhar com estudos dirigidos, estudos de textos, portfólios, painel, estudo de meio, fórum de discussão, dentre outras. Para a aplicação do conhecimento o professor pode lançar mão de estratégias como seminários, grupo de verbalização e de observação (GVGO), simpósios, oficinas (workshop), Phillips 66, dentre outras. Para categoria análise propõem-se o uso de solução de problemas, PBL, problematização, estudo de caso, júri simulado, fórum de discussões e pesquisa. Para a síntese do conhecimento pode-se utilizar os mapas conceituais, as retomadas de conteúdo, a elaboração de mapas mentais, seminários, TBL e mais. E a avaliação da aprendizagem dos conteúdos pode ser realizada processualmente com a atribuição de valores a todas estas estratégias associadas a avaliações teóricas e práticas do conteúdo. Cabe ressaltar que as estratégias dispostas em cada categoria de domínio cognitivo de Bloom não são fixas e podem ser associadas para que se alcance a aprendizagem efetiva, bem como a utilização de Tecnologias da Comunicação e Informação que, quando bem planejada, cabem em todas as categorias de Blomm.

 

Publicado
2019-01-10
Seção
XI Seminário de Saberes e Práticas Docentes do Curso de Odontologia