APRENDENDO A APRENDER E A ENSINAR COM METODOLOGIAS ATIVAS

relato de experiência

  • Angélica Lima Brandão SIMÕES
  • Lismary Barbosa de Oliveira e SILVA
  • Regina Ribeiro de CASTRO
  • Rosana Mendes Bezerra
  • Sheila Mara PEDROSA
Palavras-chave: Ensino-aprendizagem; Educação; Conhecimento

Resumo

Na oportunidade de participar em modalidades variadas de aprendizagem baseadas em metodologias ativas de ensino-aprendizagem, tem-se a oportunidade de aprender e contribuir cientificamente e significativamente com atividades e produtos finais realizados no coletivo. Percebe-se que o ensino direcionado por metodologias ativas torna-se intenso, na perspectiva de que todos os saberes são relevantes e um se completa ou se complementa no outro. Dessa forma, o estudante não é inerte, sendo este instigado e orientado a ser participante ativo na produção do próprio conhecimento, colaborando com o grupo e com a ampliação das concepções prévias, individuais e do coletivo, envolvendo facilitadores e especialistas.  O interesse em relatar as experiências vivenciadas no curso tendo sido realizado com base em metodologias ativas, deu-se pela relevância desse tema nos cenários de educação do país, objetivando apresentar a trajetória das diferentes atividades de aprendizagem experienciadas no curso de especialização. Acredita-se que conhecer o processo apresenta-se como superficial ao poder de vivenciá-lo. Diante dessa afirmação, entende-se que ser conduzido em direção ao aprendizado por metodologias ativas consta de grandes desafios frente a formação tradicional ao qual fomos submetidos. Resistências em mesclar os saberes ocorreram em algumas das abordagens. Entretanto, foram superadas durante o processo de estudo e convivência, ao final as equipes e grupos de forma geral demonstraram respeito às diversidades de opiniões e coleguismo e espírito colaborativo.

Referências

GAMARRA, Tatiana Pereira das Neves; PORTO, Marcelo Firpo de Souza. Regulação em Saúde e Epistemologia Política: Contribuições da Ciência Pós-normal para Enfrentar as Incertezas. Organ. Soc., Salvador, v. 22, n. 74, p. 405-422, set. 2015. Disponível em . acessos em 16 ago. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/1984-9230746.
GIGANTE, RL; CAMPOS, GWS. Política de formação e educação permanente em saúde no Brasil: bases legais e referências teóricas. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 14 n. 3, p. 747-763, set./dez. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tes/v14n3/1678-1007-tes-14-03-0747.pdf Acesso 16 de out. 2017.
LIMA, Valéria Vernaschi. Espiral construtivista: uma metodologia ativa de ensino-aprendizagem. Interface (Botucatu), Botucatu , v. 21, n. 61, p. 421-434, jun. 2017. Disponível em . acessos em 23 maio 2017. Epub 27-Out-2016. http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622016.0316

MITRE, Sandra Minardi et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 13, supl. 2, p. 2133-2144, Dec. 2008. Available from . access on 16 Apr. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000900018

PILETTI, Nelson; ROSSATO, Solange Marques. Psicologia da aprendizagem: da teoria do condicionamento ao construtivismo. 1ª ed. São Paulo: Contexto, 2015.
Publicado
2019-01-08
Seção
II Simpósio de Produção Científica do Curso de Enfermagem da UniEVANGÉLICA