GESTÃO DA CLÍNICA

ELABORAÇÃO DO PROJETO APLICATIVO

  • Lismary Barbosa de Oliveira SILVA
  • Regina Ribeiro de Ribeiro de CASTRO
Palavras-chave: Projetos em Saúde; Educação Permanente; Atenção Básica.

Resumo

Introdução: Pensar estrategicamente é definir, estruturar os objetivos e os caminhos para atingir um resultado final. Na saúde, o planejamento é a função que permite melhorar o desempenho, a eficiência e a efetividade dos serviços no cumprimento das finalidades de proteção, promoção, recuperação e reabilitação. Objetivo: Relatar a experiência na construção de um Projeto Aplicativo para a Rede de Atenção Básica de Saúde do município de Anápolis-GO, colaborando com o processo de educação permanente dos enfermeiros para melhor resolutividade da rede de atenção pré-natal de risco habitual. Método: Relato de experiência descritiva, com abordagem qualitativa dos processos de elaboração do Projeto Aplicativo no curso de Pós-graduação em Gestão da Clínica nas Regiões de Saúde, no ano de 2017, oferecido pelo Instituto de Ensino e Pesquisa (IEP) do Hospital Sírio Libanês em parceria com o Ministério da Saúde, a UniEVANGÉLICA e Secretarias de Saúde. Resultados: No processo de construção do Projeto Aplicativo (PA) utiliza-se do Pensamento Estratégico Situacional (PES) para análise dos contextos que envolvem as práticas de saúde e, particularmente, o mundo do trabalho dos participantes. Iniciou-se com a abertura ideológica de que não existe uma única realidade e sim, diferentes interpretações sobre um determinado contexto. Conclusão:  A finalização do Projeto Aplicativo, representado pelo Plano de Ação, foi gratificante a medida que todos puderam participar ativamente no processo de construção em etapas propostas pelo curso e, principalmente, acompanhar a implementação deste no município. Perceber algo que anteriormente eram apenas ideias e, após um planejamento sistemático, tornar factível e impactante o cuidado com a saúde materna infantil das futuras gerações de pessoas, gera uma imensa satisfação.

Referências

ANVERSA, ETR et al. Qualidade do processo da assistência pré-natal: unidades básicas de saúde e unidades de Estratégia Saúde da Família em município no Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública [Internet], Rio de Janeiro , v. 28, n. 4, p. 789-800, Apr. 2012. Available from . accesson 05 Sept. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2012000400018.
BASSO, CG; NEVES, ET; SILVEIRA, A. Associação entre realização de pré-natal e morbidade neonatal. Texto contexto enferm. [Internet], Florianópolis, v. 21, n. 2, p. 269-276, June 2012. Available from . Accesson 05 Sept. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072012000200003
BRASIL. Cadernos de Atenção Básica, n° 32. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: MS, 2012. 318 p.: il. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Disponível em: Acesso 09 de nov. 2017.
CARDOSO, A. J. C. Planejamento em saúde: curso de planejamento e avaliação em saúde. Escola nacional de administração pública. AJCC. 2013. módulo 1. Disponível em:
GIGANTE, RL; CAMPOS, GWS. Política de formação e educação permanente em saúde no Brasil: bases legais e referências teóricas .Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 14 n. 3, p. 747-763, set./dez. 2016 . Disponível em: Acesso 16 de out. 2017.
MARQUES, CPC. Redes de atenção à saúde: a Rede Cegonha. 2016 Universidade Federal do Maranhão. UNA-SUS/UFMA. São Luís, 2016.64f.: il. .Acesso 05 de set. 2017.
SILVA, S. F. et al. Curso de especialização em gestão de políticas de saúde informadas por evidências: caderno do curso. São Paulo, Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa; Ministério da Saúde, 2015.
Publicado
2019-01-08
Seção
II Simpósio de Produção Científica do Curso de Enfermagem da UniEVANGÉLICA