PRÁXIS DE ENFERMAGEM NO PRÉ-NATAL DE BAIXO RISCO

  • Meillyne Alves dos REIS
  • Tatiana Caexeta FERREIRA
  • Gabrielle Gomes Andrade PEREIRA
  • Lígia Sadalla Vaz de SOUSA
Palavras-chave: Cuidado Pré-natal. Cuidados de Enfermagem. Equipe de assistência ao paciente.

Resumo

Resumo

OBJETIVO: analisar a atuação do enfermeiro na assistência pré-natal (PN). METODOLOGIA: revisão integrativa da literatura de artigos publicados na Biblioteca Virtual de Saúde (BVS) nas bases de dados: Literatura Latino Americana do Caribe em Ciências em Saúde (LILACS), Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (Medline) e Base de Dados de Enfermagem (BDENF), publicados de 2008-2017. RESULTADOS: Foram incluídos 11 artigos neste estudo. De seu conteúdo emergiram três categorias fundamentais: assistência PN - conceito, diretrizes do Ministério da Saúde e protocolos assistenciais; atuação do enfermeiro no PN - ferramentas utilizadas, fragilidade e potencialidades no atendimento; e o olhar da gestante sobre a atuação do enfermeiro no PN.  O atuação do enfermeiro está de acordo com a lei do Exercício Profissional da Enfermagem, demonstrando ações como: consulta de enfermagem PN de baixo risco, plano de assistência individualizado priorizando as necessidades das gestantes, intervenções de enfermagem, incluindo educação em saúde e encaminhamento a serviços de referências. CONCLUSÃO: Conclui-se que apesar dos problemas do Sistema de Saúde, o enfermeiro tem enfrentado desafios e superado empecilhos comuns durante a assistência pré-natal, pois as gestantes consideram muito bom o atendimento do enfermeiro, caracterizando o trabalho deste profissional de suma importância para a promoção e prevenção da saúde do binômio materno-fetal.

Referências

ALVES, A. C. P. et al. Aplicação de tecnologia leve no pré-natal: um enfoque na percepção das gestantes [Application of prenatal care light technology: focus on pregnant women’s perception]. Revista Enfermagem UERJ, [S.l.], v. 21, n. 5, p. 648-653, mar. 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Caderno de Atenção Básica Nº 32. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

CARDOSO, M. D. et al. Percepção de gestantes sobre a organização do serviço/assistência em um pré-natal de baixo risco de Recife Perceptions of pregnant women about the organization of the service/assistance in prenatal low risk in Recife.Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, [S.l.], v. 8, n. 4, p. 5017-5024, oct. 2016.

DE BORTOLI, C. De F. C. et al. Factors that enable the performance of nurses in prenatal Fatores que possibilitam a atuação do enfermeiro na atenção pré-natal. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, [S.l.], v. 9, n. 4, p. 978-983, oct. 2017.

DUARTE, S. J. H.; MAMEDE, M. V. Ações do pré-natal realizadas pela equipe de enfermagem na atenção primária à saúde, Cuiabá. Ciencia y Enfermería [en linea], XIX. 2013.

DUARTE, S. J. H.; BORGES, A. P.; DE ARRUDA, G. L. Ações de enfermagem na educação em saúde no pré-natal: relato de experiência de um projeto de extensão da Universidade Federal do Mato Grosso. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 2011.

FRANCISQUINI, A. R. et al. Orientações recebidas durante a gestação, parto e pós-parto por um grupo de puérperas. Ciênc cuid saúde, v. 9, n. 4, p. 743-751, 2010.

GUARIENTO, A. Obstetrícia Normal. Barueri/SP: Manole, 2011.

GUERREIRO, E. M. et al. O cuidado pré-natal na atenção básica de saúde sob o olhar de gestantes e enfermeiros. Revista Mineira de Enfermagem, v. 16, n. 3, p. 315-323, 2012.

GUIMARÃES, F.; LEITE, J., SANTOS, P.; KOWAL, I., SOUZA, A.; ARAÚJO, M. Y ALZENIR, M. Qualidade da atenção ao pré-natal na Estratégia Saúde da Família em Sobral, Ceará. Revista Brasileira de Enfermagem. 61 (5): 595-602, 2008.

MENDES, K. D. S. et al. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, Out-Dez; 17(4): 758-64. 2008.

MIRANDA, F. J. S.; FERNANDES, R. A. Q. Assistência pré-natal: estudo de três indicadores. Rev. enferm. UERJ, v. 18, n. 2, p. 179-184, 2010.

PEIXOTO, C. R. et al. O pré-natal na atenção primária: o ponto de partida para reorganização da assistência obstétrica. Rev. enferm. UERJ, p. 286-291, 2011.

SUCCI, R. C. M. et al. Evaluation of prenatal care at basic health units in the city of Sao Paulo. Rev. Latino-Am. Enfermagem [online]., vol.16, n.6, pp.986-992. 2008.

VIEIRA, S. M.; BOCK, L. F.; ZOCCHE, D. A. and PESSOTA, C. U. Percepção das puérperas sobre a assistência prestada pela equipe de saúde no pré-natal. Texto contexto - enferm. [online]. vol.20, n.spe, pp.255-262. 2011.

WEST, S et al. Systems to Rate the Strength Of Scientific Evidence. Evidence Reports/Technology Assessments, Rockville (MD). Agency for Healthcare Research and Quality. n. 47. Pb n 02-E01. April 2002.
Publicado
2019-01-08
Seção
II Simpósio de Produção Científica do Curso de Enfermagem da UniEVANGÉLICA