DESENVOLVENDO HABILIDADES NO DIAGNÓSTICO E MANEJO DE LESÕES DE CÁRIE OCULTA EM PRÁTICA LABORATORIAL NO CURSO DE ODONTOLOGIA

  • Gustavo Adolfo Martins Mendes
  • Juliane Guimarães de Carvalho
  • Luciana Carvalho Boggian
  • Ana Lúcia Machado Maciel
  • Pollyana Souza Lôbo El Zayek
  • Luiz Augusto Fonseca
  • Paulo Roberto Fonseca
Palavras-chave: Cariologia. Cárie Oculta. Dentística. Odontologia.

Resumo

A doença Cárie ainda é significativamente prevalente no Brasil e em vários outros países e seu correto diagnóstico seguido de mínima intervenção é uma habilidade a ser desenvolvida nos cursos de graduação em Odontologia. No entanto o aparecimento de lesões de cárie oculta, associada a elevada administração de fluoretos e defeitos estruturais do esmalte dentário, torna-se um complexo desafio na prática clínica. O objetivo desse relato é compartilhar os resultados obtidos na prática de manejo de lesões de cárie oculta em laboratório de Dentística do curso de Odontologia do Centro Universitário de Anápolis. A fim de aprimorar as práticas em laboratório foi adotado pela disciplina de Dentística I um manequim odontológico (modelo Top Dentística PD100 – PRONEW) que permitisse a simulação de preparos cavitários de todas as Classes, incluindo elementos dentais (primeiros molares) com lesões de Cárie ocultas. Os alunos foram orientados a realizarem os preparos cavitários convencionais conforme os princípios ensinados em aula teórica e após essa primeira vivência foram estimulados a observação comparativa com os elementos dentais do manequim com presença de lesões de cárie oculta. Esse tipo de lesão se caracteriza pela rápida progressão em dentina sem afetar visualmente o esmalte dentário que se apresenta sadio ou minimamente desmineralizado. Na simulação em aula prática através de workshop demonstrativo os alunos observaram que o diagnóstico desse tipo de lesão pode ser desafiador na clínica odontológica e por muitas vezes apenas um exame radiográfico ou por transluminescência é capaz de indicar sua presença. Após realizado os preparos cavitários os alunos foram questionados quanto as diferenças no manejo clínico e indicaram a necessidade de acessos mais conservadores e minimamente invasivos. Por fim a prática mostrou-se exitosa, quanto ao objetivo proposto pela disciplina, testificada pela discussão gerada e as execuções satisfatórias nos simuladores odontológicos.

Publicado
2019-01-10
Seção
XI Seminário de Saberes e Práticas Docentes do Curso de Odontologia