A INFLUÊNCIA DO ADOECIMENTO PSÍQUICO NA ATIVIDADE LABORAL DO PROFISSIONAL DE SAÚDE

  • Alice Guimarães
  • Amanda Brasil
  • Núbia Gonçalves da Paixão Eneterio
Palavras-chave: adoecimento psíquico.saúde mental. trabalho

Resumo

Frente ao cenário atual em que se demonstram maiores exigências no mercado de trabalho e
ritmo de vida acelerado, percebe-se a importância de estudos sobre o adoecimento psíquico e sua
influência sobre a atividade laboral e a qualidade de vida. Com efeito, esse estudo objetiva
compreender como o adoecimento psíquico influencia a atividade laboral nos profissionais de
saúde. Especificamente, intenta-se caracterizar o adoecimento psíquico no contexto laboral de
saúde; identificar a atuação laboral dos Agentes Comunitários de Saúde e relacionar o
adoecimento psíquico com a atividade laboral. Trata-se de uma pesquisa descritiva, a partir de
revisão bibliográfica. A pesquisa poderá contribuir não somente para produção de estudo voltada
a uma área laboral pouco investigada, como também poderá incentivar que demais pesquisas
voltem o olhar para o estudo nas demais áreas da saúde. Por meio da análise temática de
conteúdo, percebeu-se que o ACS tem importante atuação no âmbito da saúde pública, contudo,
este profissional está exposto ao sofrimento psíquico, uma vez que, tem dificuldades quanto a
limitação e abrangência de sua atuação, riscos psicossociais no trabalho e determinada
fragilidade em sua formação. O estudo possibilitou maior compreensão quanto a necessidade de
que novas ações visem trabalhar de forma efetiva a qualidade de vida e bem-estar também dos
profissionais de saúde, para então prevenção e diminuição da expressão do sofrimento psíquico e
por sua vez, adoecimento desses profissionais.

Referências

ANDRADE, V M P; CARDOSO, C L. Visitas Domiciliares de Agentes Comunitários de Saúde:
Concepções de Profissionais e Usuários. Psico-USF, Itatiba, v. 22, n. 1, p. 87-98. Disponível em:
82712017000100087&lng=en&nrm=iso>. Acessoem 26 set. 2018.

CARLI, R, COSTA, M C, SILVA, E B, RESTA, D G, COLOMÉ, I C dos S. Acolhimento e vínculo
nas concepções e práticas dos agentes comunitários de saúde.Texto & Contexto -
Enfermagem,23(3), 626-632. 2014. Disponível em: 07072014001200013>. Acesso em 25 set. 2018.

COSTA, M T P; BORGES, L O; BARROS, S C. Condições de trabalho e saúde psíquica: um
estudo em dois hospitais universitários.Rev. Psicol. Organ. Trab., Florianópolis, v. 15, n. 1, p. 43-
58, mar. 2015. Disponível em 66572015000100005&lng=pt&nrm=iso>. Acessoem 28 set. 2018.

FERREIRA, D K S; MEDEIROS, S. M., CARVALHO, I. M. Sofrimento psíquico no trabalhador de
enfermagem: uma revisão integrativa. Rev.Fund.Care. Online. 9(1):253-258. 2017. Disponível em:
. Acesso em 27 de set. 2018.

GIL, A C. Como elaborar projetos de Pesquisa. Atlas, 4ª ed. São Paulo. 2002. Disponível
em orar_projeto_de_pesquisa_-_antonio_carlos_gil.pdf>. Acesso 28 de set. 2018.

LOPES. D M Q; BECK C L C; PRESTES, F C; WEILLER, T H; COLOMÉ, J S.; DA SILVA, G M.
Agentes Comunitários de Saúde e as vivências de prazer - sofrimento no trabalho: estudo
qualitativo.Rev. Esc. Enferm. USP vol.46, no.3, São Paulo, 2012. Disponível em:
. Acesso 27 de set. 2018.

NASCIMENTO, G M, DAVID, H M S L. Avaliação de riscos no trabalho dos agentes comunitários
de saúde: um processo participativo. Rev. Enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2008 out/dez;
16(4):550-6. Disponível em: . Acesso 27 de set.
2018.
Publicado
2019-01-17