RESILIÊNCIA COMO FATOR DE PROTEÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE: ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA

  • Yasmim Mesquita
  • Ester Isaac
  • Máriam Hanna Daccache
Palavras-chave: resiliência, docentes, estresse ocupacional.

Resumo

Este artigo teve como objetivo geral buscar compreender a atuação da resiliência como um fator de proteção
na prática docente e como se dá este processo. Pretendeu-se descrever quais são os fatores que colaboram
para o desenvolvimento da resiliência, e como eles atuam na vida do docente. Para isso, foi utilizado como
metodologia, uma revisão sistemática da literatura, por meio de pesquisas qualitativas e quantitativas, com
delimitação de datas e país de publicação, banco de dados e palavras-chave. Os resultados indicam que a
resiliência atua de forma positiva na vida dos docentes, auxiliando-os a lidarem com as tribulações que estão
envolvidas nesta profissão. A docência vem sendo considerada uma carreira estressante, fazendo surgir o
adoecimento psíquico e físico, e a resiliência entra como um fator de proteção frente a essas adversidades, e
concluiu-se que faz-se necessário o desenvolvimento das habilidades sociais, sugerindo então, o
desenvolvimento de uma boa relação nos relacionamentos interpessoais e no ambiente de trabalho, a busca
de aperfeiçoamento profissinal e o cuidado com a saúde física e mental, para o alcance da resiliência e êxito
de sua função como docente.

Referências

DIEHL & MARIN. ADOECIMENTO MENTAL EM PROFESSORES BRASILEIROS: revisão
sistemática da literatura. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 7(2), 64-85, 2016. Disponível
em < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?scr.ipt=sci_arttext&pid=S2236-
64072016000200005&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em 06 mai. 2018.

LAGO, CUNHA, & BORGES. Percepção do trabalho docente em uma universidade da região
norte do Brasil. Trabalho, Educação e Saúde. 13(2), 429-450, 2015. Disponível em <
https://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sip00049>. Acesso em 26 jul. 2018.

MORAES & MOREIRA. Vínculos com a carreira e os fatores psicossociais de estresse no
trabalho: um trabalho com docentes universitários de Feira de Santana, Bahia. Universidade
Federal de Santa Catarina, 2013. Disponível em
. Acesso em 10 out. 2018.

PRADO. Estresse ocupacional: causas e consequências. Revista Brasileira de Medicina do
Trabalho, 14(3):285-289, 2016. Disponível em < http://www.rbmt.org.br/details/122/ptBR/estresse-ocupacional-->.
Acesso em 18 set. 2018.

SANTANA. Trabalho e desgaste em docentes de instituições públicas de educação superior
brasileiras. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Corumbá, Mato Grosso do Sul, Brasil,
2017. Disponível em https://ppgecpan.ufms.br/files/2017/06/Disserta%C3%A7%C3%A3oFranciele_Santana2017.pdf>.
Acesso em 14 set. 2018.

SOARES. Análise do estresse ocupacional em docentes da Universidade Federal de Viçosa e
suas interferências na qualidade de vida e suporte familiar. Universidade Federal de Viçosa,
Viçosa, Minas Gerais, Brasil, 2016. Disponível em <
http://www.locus.ufv.br/bitstream/handle/123456789/8345/texto%20completo.pdf?sequence=1>
. Acesso em 05 jul. 2018.

SOUSA & EXTREMERA. Docentes resilientes em contextos precários: estudo de casos em
Espanha. Educação (UFSM), 41(3), 541-552, 2016. Disponível em
http://dx.doi.org/10.5902/1984644424598>. Acesso em 22 ago. 2018.

ZACHARIAS. Bem estar docente: um estudo em escolas públicas de Porto Alegre. Porto
Alegre, RS, 2012. Disponível em .
Acesso em 26 ago. 2018.
Publicado
2019-01-17