AVALIAÇÃO DO TORNEAMENTO DO AÇO ABNT 1020 EM DIFERENTES AMBIENTES DE LUBRIREFRIGERAÇÃO

  • Leonardo Bernardo e Silva UniEvangélica
  • Marlon Teófilo Augusto
  • Sérgio Mateus Brandão
Palavras-chave: Corte a seco, Fluído de corte, Viabilidade Econômica

Resumo

Devido ao crescimento do setor da usinagem, devido ao aumento da velocidade e a necessidade de usinar peças cada vez mais duras, os fluídos de corte também que tiveram que melhorar, pois não atendiam mais às necessidades básicas destas operações de usinagem. Este artigo tem como objetivo analisar os parâmetros de saída do processo de torneamento do aço ABNT 1020 utilizando diferentes fluídos refrigerantes. Para tanto foi utilizado um no torno CNC (Comando Numérico Computacional) com aplicação de fluído abundante e o corte a seco durante execução dos ensaios visando a viabilidade econômica na área de tornearia. Para garantir o uso correto da utilização do fluído em diferentes ambientes, foi necessário tabular os dados encontrados, comparando o fluído abundante utilizado em relação ao corte a seco, mantendo os mesmos parâmetros de usinagem para todo processo. O processo foi realizado no Centro Tecnológico, em Anápolis. O planejamento do experimento foi determinado antes do processo, fazendo com que fosse trabalhado de forma contínua até o final. Após, foram analisados, corpo de prova, ferramenta de corte e a potência consumido no torno CNC para se obter resultados como, rugosidade, consumo energético previsto, tipo de cavaco e desgaste da ferramenta. Por meio dos dados obtidos, pôde determinar a presença de diferentes ambientes de lubrirefrigeração trará economia para o processo ou se seria melhor manter sem a presença de refrigeração. Deverá ser notória a qualidade final do produto, onde a presença de fluído refrigerante ou a seco, não deverá haver uma mudança grosseira. Com a coleta de dados obtidas será analisado qual processo teve um maior impacto no material, buscando a melhor rentabilidade no processo de torneamento em máquinas automatizadas. Foi possível observar através de gráficos e análises micrográficas, que o corte com fluído abundante obteve uma diferença de valores significativos nas variáveis de saída analisadas no processo de torneamento. Conclui-se que a utilização de diversos ambientes de fluídos afetará significativamente a qualidade do processo, neste caso constatou-se que a utilização do fluído refrigerante há uma qualidade superior no acabamento da peça, fazendo com que se torne viável a um longo e contínuo processo, desconsiderando o consumo levemente superior ao corte a seco, ocasionado pela potência consumida devido aos mecanismos de lubrificação.

Referências

[1] MERCHANT, M. E. An interpretive look at the 20th century research on modeling of machining. Machining Science and Technology, v.2, p. 157-163, 1998.
[2] FERRARESI, Dino. Fundamentos da usinagem dos metais. São Paulo: Blucher, 1970.
[3] SANTOS, Sandro Cardoso; SALES, Wisley Falco. Aspectos tribológicos da usinagem dos materiais. São Paulo: Artliber Editora, 2007.
[4] MACHADO, Álisson Rocha; ABRÃO, Alexandre Mendes; COELHO, Reginaldo Teixeira. Teoria da usinagem dos materiais. 2. ed. São Paulo: Blucher, 2011.
[5] SILVA, Sidnei Domingues da. CNC: Comandos Numéricos Computadorizados. 8. ed. São Paulo: Érica Ltda, 2013.
[6] Chiaverini, V., “Tecnologia Mecânica”, 2ª Edição, Editora Mcgraw-Hill, São Paulo, 1986.
[7] MIRANDA, Gilberto Walter Arenas. Uma contribuição ao Processo de Furação sem Fluido de Corte com Broca de Metal Duro Revestida com TiAlN. 2003. 175 p. Tese (Doutorado) - Departamento de Faculdade de Engenharia Mecânica, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003. Cap. 2. Disponível em: . Acesso em: 12 mai. 2018.
[8] A. E. Diniz, F. C. Marcondes, N. L. Coppini, Tecnologia da Usinagem dos Materiais. Artbeller Ed. S. Paulo, SP (2003).
[9] STOETERAU, L. R. Desgaste de Ferramentas, 2007. Disponível em: < http://www.lmp.ufsc.br/disciplinas/Stoterau/Aula-05-U-2007-1-desgaste.pdf>. Acesso em 23 abril, 2018.
[10] OLIVEIRA, João Fernando Gomes De; ALVES, Salete Martins. Adequação ambiental dos processos usinagem utilizando Produção mais limpa como estratégia de gestão ambiental. Produção, São Paulo, v. 17, n. 1, p.129-138, jan./abr. 2007. Disponível em: . Acesso em: 25 Abril, 2018.
Publicado
2019-01-18
Seção
III SINACEN - Simpósio Nacional de Ciências e Engenharias